• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


5 motivos para acreditarmos que o Megalodon ainda existe

POR Diogo Quiareli    EM Mundo Animal      05/10/17 às 11h08

Para quem não sabe, o Megalodon é um tubarão pré-histórico imenso, muito maior do que o tamanho normal. O animal poderia chegar a medir mais e 15 metros de comprimento. Suas mandíbulas assustadoras eram compostas por dentes que mediam entre 8 e 18 centímetros aproximadamente. Há teorias de que essa criatura já foi extinta, mas habitou o nosso planeta há aproximadamente 1,5 milhões de anos. Mesmo assim ainda existem várias pessoas que conseguem afirmar com todas as letras que essa espécie não sumiu por completo e que ainda podemos encontrá-la em algum lugar dos oceanos.

Não faltam pessoas que acreditam na possibilidade de que esses animais ainda vagam por aí, escondidos em alguns pontos fundos do mar. Será que isso é mesmo possível? Mesmo que muitos estudiosos sobre o assunto afirmem que não, é extremamente fascinante pensar sobre a existência de um animal pré-histórico ainda vivendo "entre nós", não é mesmo? Até mesmo uma pesquisadora famosa já afirmou que isso é impossível. Mas vez ou outra aparecem carcaças assustadoras pelas praias ou até mesmo vídeos que supostamente mostram a criatura marinha misteriosa. Mas, ainda sim, não há evidências de que os megalodontes realmente existam. Pensando sobre isso, resolvemos listar alguns motivos pelos quais acreditamos que essa espécie ainda está pode ser encontrada em algum lugar desse planeta.

1- A existência do Megamouth Shark

Existe uma criatura chamada de Megamouth Shark, que também consegue crescer até quase 20 metros de comprimento, mas não foi descoberta até 1976. Este animal iludiu alguns pesquisadores por causa de seu tamanho e por viverem em águas profundas, aproximando-se da superfície apenas à noite. Isso, pelo que muitos pesquisadores especulam, pode ser o mesmo comportamento de Megalodon, tornando as espécies a mesma, inclusive.

2- A Lula Gigante

A Lula Gigante é uma criatura que pode chegar a 30 pés de comprimento. Ao que tudo indica, essa espécie mora nas partes profundas do oceano. Embora a ciência conhecesse sua existência a partir de rastros em terras marinhas ou cicatrizes deixadas nos corpos das baleias, nenhuma espécie adulta foi vista em um vídeo até o ano de 2004. Hoje, sabemos que existem essas criaturas no fundo do oceano, o que nos faz crer ainda mais na existência de um tubarão gigantesco.

3- Descoberta de outros animais extintos

Alguns pesquisadores acreditam que, como descobriram a existência de alguns animais extintos, também possa ter o Megalodon. Um desses animais é o celacanto do gênero Latimeria, que era considerado extinto há pelo menos 65 milhões de anos, durante o período de cretáceo. No final da década de 30, vários desses animais foram redescobertos.

4- A redescoberta do Megachasma pelagios

Mais conhecido como Tubarão boca-grande, essa espécie foi redescoberta em 1976. Eles podem alcançar até 4 metros de comprimento e se alimentam exclusivamente de plâncton. Apesar de esses animais terem sido considerados extintos, não há evidências concretas de que pode ter acontecido o mesmo com o Megalodon, e tudo fica apenas como um questionamento.

5- O possível habitat natural do tubarão

Os pesquisadores afirmam que essa espécie poderia ser encontrada nos primeiros metros do oceano, onde a luz solar ainda consegue penetrar. Mas com o passar dos anos, essa espécie tenha se adaptado aos lugares profundos e sem iluminação, aprendendo então a viver sem a luz.

E aí, você acredita que ainda possa existir essa espécie? Comenta pra gente aí em baixo e compartilhe com seus amigos. Lembrando sempre que o seu feedback é extremamente importante para o nosso crescimento.

Próxima Matéria
Diogo Quiareli
Geminiano, 25 anos, goiano.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+