icone menu logo logo-fatos-desconhecidos.png


7 casos mais estranhos de estudos mentais

POR Mateus Graff    EM Ciência e Tecnologia      15/03/18 às 10h15
capa do post 7 casos mais estranhos de estudos mentais

O cérebro humano é particularmente complexo e extenso. O mesmo representa apenas 2% da massa do corpo, mas, apesar disso, recebe aproximadamente 25% de todo o sangue que é bombeado pelo coração. Dividido em dois hemisférios, esquerdo e direito, o cérebro humano pesa em torno de 1,36 quilogramas e é algo para se maravilhar.

Bom, mas como nada nesse mundo é perfeito, o cérebro humano também falha de vez em quando. Em alguns casos essa falha pode ser fatal. Tendo isso em mentem, resolvemos trazer para vocês os 7 mais estranhos casos de estudos mentais, confiram:

1 - Lado direito x Lado esquerdo

Com 8 anos de idade, Peter começou a ter convulsões. Quando ele chegou aos 20 anos, depois de lutar contra uma doença durante 12 anos, ele e os médicos concordaram em fazer com que ele passasse por uma comissurotomia. Esse procedimento envolve uma incisão cirúrgica do corpo caloso, que é o principal trato do nervo cerebral que liga os hemisférios cerebrais direito e esquerdo do cérebro. Sendo assim, essa parte do cérebro serve como a principal via de comunicação para os sinais intra-hemisféricos.

Por um lado, a cirurgia de Peter foi um sucesso, já que eliminou a magnitude de suas convulsões. Por outro lado, Peter ficou muito diferente do que era antes. O lado esquerdo e direito dele começaram a se comportar como se fosse duas pessoas diferentes. A sua perna esquerda, por exemplo, nem sempre caminhava na direção que ele queria e coisas do tipo.

2 - Visão cega

Nesse item vamos contar o caso de uma pessoa identificada apenas como DB. A mesma sofria de uma deficiência neurológica conhecida como blindsight, que é incapacidade de alguém perceber conscientemente algo que se pode ver. DB tinha uma visão muito boa. Na verdade, sua visão era melhor do que uma pessoa normal. O que o torna diferente é que ele sofre de um dano no córtex visual primário, uma parte no lóbulo occipital do cérebro.

Apesar do dano ter causado a perda consciente de "ver" em seu campo visual esquerdo, as seguintes evidências foram obtidas: Ele é capaz de atingir estímulos visuais em seu campo esquerdo com uma precisão considerável. Ele pode diferenciar a orientação de uma linha vertical de uma linha diagonal ou horizontal. Ele pode dizer a diferença entre as letras "X" e "O" quando elas são mostradas em seu campo de cegueira.

Os médicos o questionaram repetidamente sobre a visão em seu meio campo esquerdo apenas para responder que ele não via nada. Quando ele mostrou seus resultados, ele expressou grande surpresa e disse que estava apenas "adivinhando".

DB ficou surpreso ao ver imagens de si mesmo alcançando com precisão e julgando a orientação das linhas. Mesmo que ele não pudesse registrar conscientemente o que tinha sido apresentado em seu campo visual "cego", ele ainda possuía a habilidade de "ver" em um sentido, daí o termo "visão cega".

3 - Não reconhecer os rostos das pessoas

Imagine como seria não reconhecer os rostos das pessoas? Nesse item vamos chamar a pessoa de RP. Ela sofre de prosopagnosia, o que a deixa incapaz de reconhecer os rostos. Na verdade, a prosopagnosia é apenas uma das muitas agnosias visuais (uma agnosia é uma falha no reconhecimento). Outras agnosias visuais incluem: agnosia de movimento, agnosia de objetos e agnosia de cores.

RP geralmente pode reconhecer que um rosto é um rosto, mas não pode dizer exatamente de quem é o rosto. O RP não relata quaisquer outros problemas de reconhecimento e, como DB no item anterior, tem uma excelente visão.

Pessoas com essa condição geralmente relatam ver uma mistura de partes faciais individuais que não estão ligadas ou fundidas em um todo facilmente reconhecível. Em alguns casos extremos, eles nem conseguem se reconhecer. A prosopagnosia está associada ao dano ao limite entre os lobos occipitais e temporais do cérebro, uma região mais conhecida como área do rosto fusiforme.

4 - Ponto cego

WM sofreu um acidente vascular cerebral em sua artéria cerebral posterior direita. A tragédia causou danos consideráveis aos seus lobos occipitais e temporais, o que resultou em uma hemianopsia esquerda severa. Hemianopsia é uma condição em que um escotoma (um ponto cego em seu campo de visão) cobre metade do seu campo visual. Em essência, a WM era praticamente cega no campo visual esquerdo. Quando ela colocou a mão esquerda no seu olho, ela detectou 97,8% dos estímulos apresentados no seu campo visual direito, mas apenas 13,6% daqueles apresentados à esquerda.

O que torna seu caso interessante é que, quando ela foi testada com a mão esquerda estendida para o campo visual esquerdo, sua habilidade para detectar estímulos melhorou acentuadamente. Por algum motivo, seu cérebro permitiu que ela visse aqueles objetos que estavam perto de sua mão esquerda, mesmo que sua mão estivesse dentro da região de seu escotoma (seu campo visual esquerdo).

Notavelmente, esta área de melhor desempenho foi ampliada ainda mais quando ela segurou uma raquete de tênis na mão esquerda estendida. O caso de WM é um testemunho da durabilidade do cérebro humano. Mesmo quando danificado, o cérebro, muitas vezes, desenvolve habilidades para se adaptar e dar certo, sua deficiência.

5 - O homem que pensavam que era mais jovem

Jimmie G. era um homem de 49 anos que gostava de falar sobre suas experiências como estudante e sore seu tempo na marinha. Ele era inteligente e possuía habilidades superiores de matemática e ciências. Dada essa descrição, seria triste dizer que essa pessoa sofre uma condição séria, certo? Para perceber isso basta prestar atenção nas coisas que ele fala. Quando descreve as experiências da escola, ele as descreve como se fosse no passado. Quando fala da marinha, ele descreve no presente. Mas o mais estranho é ele não descrever o que aconteceu depois da marinha.

Jimmie G. acreditava que ele era um jovem de 19 anos que ainda servia seu país. Se você deixasse sua presença apenas para retornar alguns minutos depois, Jimmie G. cumprimentaria você como se ele nunca tivesse visto você antes. Testes adicionais revelaram que ele sofria da síndrome de Korsakoff, que é uma desordem exibida em pessoas que consumiram grandes quantidades de álcool.

Sua amnésia é atribuível ao dano cerebral causado pela deficiência de tiamina (vitamina B1), a maioria das vezes exibida em alcoólatras crônicos. Em seus estágios avançados, como o caso de Jimmie G, a síndrome de Korsakoff produz efeitos amnésicos profundos.

6 - Lendo com o hemisfério direito

Antes de contrair sua doença, NI era uma garota perfeitamente normal. Infelizmente, aos 13 anos, ela começou a ter convulsões e deterioração da fala e ações motoras. A tomografia computadorizada revelou um dano cerebral isquêmico (falta de fluxo sanguíneo) ao hemisfério esquerdo. A NI ainda estava com sintomas dois anos após o início de sua doença, e seus membros direitos ficaram paralisados.

Na tentativa de aliviar esses sintomas, realizou-se uma hemisferectomia esquerda total (remoção de um hemisfério no cérebro). Seguindo este procedimento, suas apreensões diminuíram completamente. Infelizmente, no entanto, sua cirurgia tirou a habilidade de ler corretamente. (A maioria das pessoas, incluindo a NI, usa seus hemisférios esquerdos para tarefas relacionadas ao idioma)

Pós-cirurgia, a NI conseguiu reconhecer letras, mas era totalmente incapaz de traduzi-las em sons. Seus erros de leitura indicavam que ela lê com base em significado e aparência de palavras, em vez de traduzir as letras individuais em sons. Por exemplo, quando mostrada a palavra "fruta", ela responderia dizendo: "suco". Suas respostas são semelhantes às pessoas com uma desordem conhecida como "dislexia profunda", que é uma incapacidade de aplicar regras de pronúncia durante a leitura. Os disléxicos profundos ainda podem pronunciar palavras familiares com base em suas memórias específicas mas semelhantes à NI, não podem pronunciar palavras absurdas ou palavras que não conhecem.

7 - Usando uma cadeira de rodas para comer

Após um acidente vascular cerebral, a Sra. S. não conseguia reconhecer ou responder às coisas à sua esquerda (isso inclui objetos externos e partes de seu próprio corpo). Por exemplo, ela geralmente colocava maquiagem no lado direito do rosto, mas não no lado esquerdo dela. A Sra. S sofria de negligência contralateral, que é um distúrbio da capacidade de responder aos estímulos no lado oposto (contralateral) ao local do dano cerebral.

No caso da Sra. S, seu acidente vascular cerebral havia danificado o lóbulo parietal posterior direito do cérebro e, portanto, estava atormentada pela negligência contralateral do lado esquerdo. Esta deficiência, como se poderia imaginar, criou muitos problemas para ela.

Um problema particularmente sério era que ela tinha dificuldade em comer o suficiente. Quando um prato cheio de comida foi colocado na frente dela, ela só podia ver a comida no lado direito do prato, apesar de estar com muita fome. Ao longo do tempo, a Sra. S. desenvolveu uma maneira inteligente de obter mais comida, mesmo que ainda estivesse com fome. Enquanto estava em uma cadeira de rodas, ela a girava para a direita em um círculo completo e parava quando a metade restante de sua refeição ficaria visível.

E aí, já tinham visto casos parecidos com esses? Comentem!


Próxima Matéria
Via   List Verse  
Imagens Curioso Cia
avatar Mateus Graff
Mateus Graff
https://www.instagram.com/mateusgraff/ https://www.facebook.com/mateus.adjutomartinsgraff
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Confira nosso Pinterest