icone menu logo logo-fatos-desconhecidos.png


7 maneiras estranhas que te fazem aprender mais, segundo a ciência

POR Diogo Quiareli EM Ciência e Tecnologia 30/04/19 às 16h21

capa do post 7 maneiras estranhas que te fazem aprender mais, segundo a ciência

Aprender não é tão simples quanto pensamos. É notável que tenhamos mais facilidade de aprender um assunto que temos mais afinidade. Estudar sobre algo que gostamos chega a ser prazeroso, mas nem é só isso que fazemos durante a vida. Há diversas coisas que, mesmo sem gostar, precisamos aprender para sobreviver. Um clássico é a batalha entre pessoas que preferem a área de humanas contra os que preferem exatas. Todos nós gostaríamos de algum segredo para nos tornar mais inteligentes e absorver conhecimentos diversos com mais facilidade. Bem, segundo a ciência, existem alguns métodos que fazem aprender mais. É como se estivéssemos aumentando o cérebro sem perceber e, acredite, são coisas simples e que fazemos diariamente.

Pensando um pouco sobre isso, resolvemos trazer essa matéria. A redação da Fatos Desconhecido buscou e listou para você, caro leitor, algumas maneiras estranhas que te fazem aprender mais, segundo a ciência. Se você souber algum outro método que não listamos aqui, comenta pra gente aí embaixo. Aproveite para compartilhar com seus amigos desde já e, sem mais delongas, confira conosco e surpreenda-se.

1 - Cochilando

Todos nós precisamos de um bom sono para funcionar bem durante o dia. Uma boa noite de sono nos ajuda a armazenar todo o conhecimento que adquirimos no dia. Um estudo mostrou ainda que dormir um pouco antes de aprender algo pode ter um grande impacto. Um professor de Psicologia e Neurociência da Universidade da Califórnia, em Berkeley, testou. Ele fez voluntários tirarem uma soneca de 1h30m antes de fazerem um teste de memorização. Eles pontuaram 20% mais do que os que não haviam cochilado.

2 - Jogar videogames

Uma pesquisa sugere que jogar videogame pode "fortalecer uma série de habilidades cognitivas, como a navegação espacial, raciocínio, memória e percepção". Isso é ainda mais comum em jogos de tiro, como Call of Duty. Esses jogos melhoram a capacidade de pensar em objetos em três dimensões. Além disso, os jogos de estratégia ajudam a melhorar a criatividade e resolução de problemas.

3 - Goma de mascar

Segundo um estudo da St. Lawrence University, o chiclete pode aumentar as habilidades cognitivas, pelo menos por um curto período de tempo. Cientistas dividiram 159 voluntários em dois grupos, um mascando chiclete e o outro não. Eles tinham que resolver uma série de testes. Os mastigadores eliminaram os outros como um todo em cinco dos seis testes.

4 - Beber álcool

Um estudo da Universidade de Illinois com psicólogos, incluindo a coautora, Jennifer Wiley, envolvia álcool e aprendizado. Eles testaram 40 pessoas que bebem, tendo a metade assistido uma animação enquanto bebiam vodka. Pessoas sóbrias assistiram o mesmo filme. Após isso, todos eles tiveram que montar quebra-cabeças. O grupo que bebeu conseguiu se sobressair nos testes.

5 - Ouvir músicas enquanto se estuda

Acredite ou não, a música pode nos tornar mais inteligentes. Estudiosos já comprovaram que as pessoas aprendem mais enquanto ouvem músicas durante os estudos. Há músicas melhores para um assunto do que outras, é claro. Alguns professores ainda afirmam que Beethoven, por exemplo, ajuda em testes de matemática. Estudar idiomas e ciência exige um pouco mais de pop, como We Can't Stop, de Miley Cyrus, por exemplo.

6 - Sentir-se triste

Há uma grande relação entre a tristeza e a criatividade. Um estudo fez com que pessoas falassem sobre os empregos de seus sonhos. Alguns receberam um feedback positivo e outros um feedback negativo. Após isso, receberam um teste. Eles precisavam criar uma colagem que seria julgada por artistas profissionais pela criatividade. Os que receberam respostas negativas conseguiram as melhores colagens em níveis criativos.

7 - Escrever à mão

Pesquisadores da Universidade de Princeton e da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, fizeram uma série de estudos, onde os alunos anotavam em uma palestra. Alguns escreviam e outros digitavam. Eles foram testados algumas semanas depois da palestra. O resultado daqueles que anotaram à mão foi melhor do que os que digitaram. Os que se deram melhor tinham uma compreensão melhor das coisas.

E aí, o que você achou dessa lista? Comenta pra gente aí embaixo e compartilhe com seus amigos. Lembrando sempre que o seu feedback é extremamente importante para o nosso crescimento.


Próxima Matéria
Via   Grunge  
Imagens
avatar Diogo Quiareli
Diogo Quiareli
Geminiano, 26 anos, goiano. Amante de música pop, fã de Katy e Luan.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Confira nosso Pinterest