• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


7 projetos bizarros feitos pelo exército dos Estados Unidos que não deram certo

POR Rafael Miranda    EM Ciência e Tecnologia      25/05/15 às 12h08

O exército dos Estados Unidos tem sido um grande desenvolvedor de pesquisas, tecnologias de guerra e desenvolvimento de outras áreas cientificas, mas isso não significa que cada experiência que eles fizeram tenha sido um sucesso. Muitas ideias que pareciam engenhosas foram por água abaixo por se mostrarem inviáveis além de outras que eram simplesmente bizarras demais para serem levadas a sério. Conheça agora sete programas das Forças Armadas dos EUA que foram consideradas extremamente bizarros e eventualmente cancelados.

1. Tropa de camelos

9

Os cavalos bastante utilizados pelo Exército como transporte durante o século 19, mas as coisas poderiam ter sido muito diferentes se não fosse a falha do programa de introdução de camelos no exército. Este experimento improvável começou em 1856 depois que o secretário de Guerra Jefferson Davis importou um rebanho de camelos do Norte da África e da Turquia.

Davis acreditou que os animais do deserto iriam se adaptar tranquilamente no clima árido dos territórios recém-adquiridos dos EUA no sudoeste. Testes iniciais até que e certa forma sustentaram a teoria. Os camelos podiam passar dias sem água, levar grandes cargas com facilidade e andar em um terreno inóspito melhor do que mulas e cavalos.

Entretanto, o exército perdeu o interesse no animal durante a marcha para a guerra civil e a ideia foi finalmente dissolvida após a o estabelecimento da Confederação. A maioria dos camelos restantes foram posteriormente leiloados para circos e cidadãos. Outros foram soltos, e seus descendentes ainda devem está em alguma área árida dos EUA.

2. Projeto Verme de Gelo

10

Em 1958, o Exército dos EUA lançou uma das experiências mais audaciosas da Guerra Fria. Como parte de um projeto ultra-secreto apelidado de "Verme de Gelo", eles elaboraram planos para esconder centenas de mísseis balísticos sob calotas de gelo da Groenlândia. Uma vez operacional e escondida sob a neves do Ártico, as armas seriam preparadas para potenciais ataques nucleares no continente Soviético.

Para testar seus projetos, o Exército construiu o acampamento Century, uma base de gelo para testar a implantação das armas mas com a desculpa oficial de ser um centro de pesquisa científica. O acampamento consistia em alguns túneis subterrâneos cobertos por uma grossa camada de gelo e reforçado com aço. O local tinha alojamentos para mais de 200 pessoas e tinha seus próprios laboratórios, hospital e teatro. Tudo isso era alimentado por um reator nuclear portátil.

O acampamento Century pode ter sido uma maravilha tecnológica, mas não era páreo para a mãe natureza. Depois de apenas alguns anos, as mudanças nas calotas polares causaram instabilidade em muitos dos túneis. O exército abandonou o projeto em 1966.

3. A pistola FP-45 Liberator

11
Pouco depois de os Estados Unidos entrarem na Segunda Guerra Mundial, o comitê de guerra do país começou a procurar uma maneira de armar os combatentes da resistência em países ocupados. O resultado foi a pistola FP-45, uma pequena pistola calibre .45, de um único tiro que poderiam ser fabricada de forma barata e jogada pelo ar em território inimigo.

A teoria era que os combatentes da resistência usariam essas pistolas grosseiras para assassinar as tropas inimigas e, em seguida, tomar as suas armas. As armas também teriam um efeito psicológico, uma vez que o pensamento de que cada cidadão pode ser armado com uma "libertador" iria trazer o medo nos corações dos soldados ocupantes.

Os EUA produziram 1.000.000 de FP-45 entre junho e agosto de 1942, mas a maioria das pistolas não conseguiu chegar no campo de batalha. Comandantes aliados e oficiais de inteligência acharam que a prática não era possível. Além disso, os combatentes da resistência europeus preferiam a "Sten" uma metralhadora fabricada pelos britânicos.

Aproximadamente 100.000 FP-45 conseguiram ser distribuídas mas não há nenhum relato ou documento que fale se elas foram eficazes e se elas foram realmente utilizadas nos combates. O restante das pistolas tornaram-se item de colecionador e atualmente cada modelo chega a ser vendido por mais de US$ 2.000.

4. Projeto Pombo

12

Durante a Segunda Guerra Mundial, o psicólogo BF Skinner recebeu financiamento militar para uma arma aparentemente bizarro: um míssil guiado por um pombo. O famoso behaviorista teve a ideia para seu "pombo-bomba" enquanto assistia a um bando de pombos em vôo. "De repente, consegui imaginá-los como dispositivos naturais que apresentam uma excelente visão e capacidade de manobra extraordinária", afirmou na época.

O projeto que se seguiu foi brilhante e estranho. Depois de treinar os pombos para bicar as imagens de um navio de guerra inimigo, Skinner colocou os pássaros dentro de um míssil especialmente projetado. Esta pequena cabine continha uma tela de plástico que projetava uma imagem da trajetória de vôo da arma. Bicando a tela, os pombos poderiam mudar as coordenadas do míssil e "conduzir" a arma na direção do seu alvo. Infelizmente para Skinner, apesar do sucesso na pesquisa, os militares se recusaram a financiar a ideia estranha. Em outubro de 1944 o projeto foi cancelado.

5. Porta-aviões aéreos

13

Porta-aviões transportados por vias aéreas pode parecer coisa de ficção científica, mas a Marinha dos EUA realmente experimentou uma espécie de "naves-mãe" dirigíveis nos anos que antecederam a Segunda Guerra Mundial. O USS Akron eo USS Macon foram dirigíveis mais leves do que o ar que utilizavam hélio para flutuar pelos céus. Diferentemente da maioria dos dirigíveis, este veículo de 800 pés de comprimento sustentou diversos hangares, o que permitiu lançar, recuperar e armazenar até cinco biplanos durante o vôo.

Os aviões eram lançados do dirigível a partir de uma abertura em forma de T no fundo do casco, e poderiam ser recapturados no ar com facilidade. A Marinha tinha grandes esperanças para o uso do Akron e Macon para reconhecimento mas ambas as aeronaves de transporte de avião finalmente sofreram acidentes. O Akron desceu em ventos fortes ao largo da costa de Nova Jérsei em abril de 1933 e o ??Macon foi vítima de uma tempestade perto da Califórnia, em fevereiro de 1935. Com a morte de cerca de 75 tripulantes, a Marinha abandonou seu programa de porta-aviões voadores.

6. Os experimentos com drogas de Edgewood Arsenal

14

A paranóia da Guerra Fria inspirou os militares a tentarem algumas experiências altamente duvidosas. Entretanto, poucas experiência se comparam os mais de 20 anos de testes com drogas ilícitas. Na década de 1950, o Maryland Edgewood Arsenal foi o lar de um programa secreto de investigação do Exército sobre as drogas psicoativas e outros agentes químicos.

Mais de 5.000 soldados serviram como cobaias para o projeto, que se destinava a identificar os agentes incapacitantes não letais para uso em combate e interrogatórios. Substâncias como maconha, mescalina, LSD, BZ, sarin e VX estavam entre as administradas nas cobaias. Enquanto os testes produziram dezenas de relatórios sobre os efeitos das substâncias, muitos dos soldados ficaram com traumas psicológicos e persistentes problemas de saúde. Após uma audiência no Congresso, os experimentos com drogas foram encerrados em 1975.

7. O pacificador Rail Garrison

15

No final da década de 1980, oficiais militares estavam preocupados que silos de mísseis estacionários dos Estados Unidos seriam alvos fáceis no caso de um tiroteio com os soviéticos. O pacificador Rail Garrison, tinha um arsenal nuclear móvel composto por 50 mísseis MX mantidos em comboios de trem da Força Aérea. O plano era deslocar as armas para serem armazenadas em edifícios reforçados em todo o país, mas durante os períodos de alerta máximo, elas poderiam ser espalhadas através de 120.000 milhas de trilhos da estrada de ferro comercial para frustrar as tentativas soviéticas de destruí-los.

Cada um dos 25 trens tinha dois vagões que abrigavam mísseis nucleares. Ao abrir o teto do veículo, era possível criar uma plataforma de lançamento especial. Eles poderiam até mesmo disparar suas armas em movimento. O presidente Ronald Reagan aprovou planos para o pacificador Rail Garrison em 1986 em meio a críticas de que era desnecessário e excessivamente caro. O projeto foi cortado apenas cinco anos mais tarde, quando o fim da Guerra Fria reduziu a necessidade de defesa nuclear. Um dos protótipos de vagões agora está em exibição no Museu da Força Aérea em Dayton, Ohio.

Gostou da matéria? Confira também:

Por que as mulheres não precisam se alistar no exército? 

Exército americano está construindo o Homem de Ferro

Quais são os exércitos mais poderosos do mundo? 

Próxima Matéria
Rafael Miranda
Criando forças para segurar o forninho de cada dia. Instagram: @rafaelmiranda17
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+