icone menu logo logo-fatos-curiosos.png


Apagão misterioso na estrela Betelgeuse foi causado por uma ''cuspida'' da estrela

POR Bruno Dias EM Curiosidades 17/08/20 às 16h29

capa do post Apagão misterioso na estrela Betelgeuse foi causado por uma

O nosso universo é extremamente gigante, indo além do que podemos imaginar. O universo é composto por galáxias, tendo nelas, planetas, estrelas, cometas e vários outros elementos. Além de acontecerem os mais variados fenômenos sempre.

Por isso, várias são as coisas inesperadas do espaço. A estrela Betelgeuse ficou bastante famosa nas redes sociais. Isso porque o medo da morte dessa estrela é bem grande. Ela é uma super gigante vermelha muito maior do que o sol.

Essa grande estrela compõe o ombro da famosa constelação de "rion, onde estão localizadas as três Marias e pode ser facilmente vista a olho nu. Ela é a mais vermelha dessa região no céu. Ela possui cerca de 11 massas solares, no entanto, seu diâmetro varia de 550 a 950 vezes o da nossa estrela.

Estrela

Por conta da sua superfície irregular e pulsante, a estrela é considerada uma variável. Ela não estava para entrar em supernova para se apagar. E também não tinham mega estruturas alienígenas a sua volta. E as observações da Betelgeuse descobriram que o escurecimento misterioso da estrela foi, provavelmente, causado por uma emissão de gases quentes e densos que resfriaram logo em seguida.

Depois que ela cuspiu um material a 322 quilômetros por hora no fim de 2019, a estrela começou a perder significativamente seu brilho na região do hemisfério sul. Em fevereiro desse ano, dois terços do seu brilho tinha desaparecido, até a olho nu. E algumas hipóteses foram formuladas a respeito da estrela estar se tornando uma supernova.

"Com o Hubble, observamos anteriormente células de convecção quente na superfície de Betelgeuse. E, no outono de 2019, descobrimos uma grande quantidade de gás quente e denso movendo-se para fora da atmosfera estendida de Betelgeuse. Acreditamos que esse gás resfriou a milhões de quilômetros fora da estrela para formar a poeira que bloqueou a parte sul da estrela fotografada em janeiro e fevereiro", disse  Andrea Dupree, do Center for Astrophysics Harvard & Smithsonian, principal autora da pesquisa.

Cuspida

"O material ejetado era duas a quatro vezes mais luminoso do que o brilho normal da estrela. E então, cerca de um mês depois, a parte sul de Betelgeuse enfraqueceu visivelmente à medida que a estrela ficava mais fraca. Acreditamos ser possível que uma nuvem escura resultou do fluxo de saída que o Hubble detectou. Apenas o Hubble nos dá essa evidência que levou ao escurecimento", explicou Andrea.

Além disso, a estrela também surpreendeu os pesquisadores porque o plasma não foi emitido como é previsto pelas teorias estrelares, que é feito pelos polos dos eixos de rotação. "As observações do Hubble sugerem que o material pode ter sido expulso de qualquer parte da superfície estelar", disse Andrea.

De acordo com a cientista, Betelgeuse tem perdido massa em uma velocidade 30 milhões de vezes mais rápida que o sol. Mas essa ejeção feita recentemente teria eliminado o dobro do que o hemisfério sul inteiro deveria ter emitido.

"Todas as estrelas estão perdendo material para o meio interestelar, e não sabemos como esse material é perdido. É um vento suave soprando o tempo todo? Ou vem aos trancos e barrancos? Talvez com um evento como o que descobrimos em Betelgeuse? Sabemos que outras estrelas luminosas mais quentes perdem material e rapidamente se transforma em pó, fazendo com que a estrela pareça muito mais fraca. Mas em mais de um século e meio, isso não aconteceu com Betelgeuse. É muito original", ressaltou.

Apagando

Nessas observações feitas recentemente no brilho da estrela foi revelado uma surpresa, mais um escurecimento inesperado. Desde o fim de junho até o começo de agosto desse ano, o Solar Terrestrial RElations Observatory (STEREO), da NASA, observou Betelgeuse em cinco dias diferentes. E todos esses dias mediu o brilho da estrela.

"Nossas observações de Betelgeuse com STEREO confirmam que a estrela está escurecendo novamente. Betelgeuse normalmente passa por ciclos de brilho que duram cerca de 420 dias. E, como o brilho mínimo anterior foi em fevereiro de 2020, esse novo escurecimento chegou mais de um ano antes do previsto", explicou Andrea.

A cientistas quer olhar a estrela em 2021 com o STEREO, que será durante o seu brilho máximo. Ela quer fazer isso para observar explosões inesperadas.


Próxima Matéria
avatar Bruno Dias
Bruno Dias
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Confira nosso Pinterest