icone menu logo logo-fatos-curiosos.png


Aplicativo criado pelo MIT e Harvard pode diminuir a disseminação do coronavírus

POR Bruno Dias    EM Curiosidades      24/03/20 às 18h02
capa do post Aplicativo criado pelo MIT e Harvard pode diminuir a disseminação do coronavírus

Os coronavírus são uma família grande de vírus, mas só era sabido que seis deles afetavam os humanos. Com esse novo vírus, agora são sete. Um desses causa a Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) que, em 2002, matou 774 pessoas na China. O novo vírus é chamado de COVID-19.

Com a crescente do surto e gravidade, a Organização Mundial de Saúde mudou a classificação sobre o coronavírus e decretou emergência sanitária global. Inclusive, o avanço do coronavírus já fez várias vítimas fatais e chegou em todos os continentes do mundo. Os casos confirmados do vírus aumentam todos os dias.

Medidas foram tomadas pelos governos do mundo todo, com a intenção de diminuir a propagação do vírus. E na atual situação, pode parecer que não se tem nada a fazer, a não ser respeitar as recomendações do governos e esperar por notícias. Mas pessoas ao redor do mundo estão pensando em ideias para ajudar todos nessa época de pandemia.

Por exemplo, a ideia de um aplicativo que qualquer um pode instalar e seu celular. E se a pessoa testar positivo para o coronavírus, ela aperta um botão no app , para que qualquer pessoa que cruzar o seu caminho, seja notificada com um alerta em seu celular.

Na teoria, isso parece ótimo. Mas na prática, pode esbarrar com várias questões, como privacidade e o uso entre as pessoas. E além do mais, isso realmente funcionaria? É isso que a equipe de desenvolvedores do MIT, Harvard, Mayo Clinic, Google e Facebook quer descobrir.

Aplicativo

O aplicativo foi desenvolvido por uma equipe de 43 técnicos e acadêmicos, durante o seu tempo livre. Ele está disponível gratuitamente, tanto para iOS quanto para Android, e se chama Private Kit: Safe Paths.

De acordo com os desenvolvedores do app, eles tiveram a preocupação com a privacidade de qualquer um que use o aplicativo. Os dados que são compartilhados são apenas os criptografados selecionados pelo aplicativo, com uma rede que não tem nenhum nó central. E nenhuma entidade tem todos os dados do usuário.

A transferência de dados acontece de acordo com a escolha do usuário. E o acesso é individualizado e concedido a pesquisadores, ou alguém que faça o rastreamento de contatos.

Mas tudo isso não resolve a questão mais importante com relação ao aplicativo, que é a ampla adesão a ele. Os desenvolvedores precisariam do apoio de uma organização de saúde bem grande para ajudá-los. E de acordo com a Wired, a equipe já solicitou a aprovação de Organização Mundial de Saúde.

Essa não foi a primeira vez que um aplicativo foi desenvolvido para ser um possível combatente a propagação de doenças. Um aplicativo foi feito em 2011, por cientistas da Universidade de Cambridge, chamado FluPhone, mas somente 1% das pessoas de Cambridge o baixaram.

Outro problema com o aplicativo, não é somente a adesão geral, mas a possibilidade de tê-lo. Existe uma  parte da população que não tem telefones, ou que não sabem mexer com essa tecnologia, e até aqueles que não querem um  aplicativo acompanhando seus passos.

Por mais que o aplicativo já exista talvez ele não seja capaz de ajudar do tanto que seus desenvolvedores queriam. Então o melhor a se fazer é respeitar o isolamento para que a situação logo se normalize novamente.


Próxima Matéria
Via   Futurism  
Imagens City front
avatar Bruno Dias
Bruno Dias
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Confira nosso Pinterest