• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Como a quarentena impacta na vida de pessoas que sofrem de depressão e ansiedade?

POR Diogo Quiareli    EM Curiosidades      15/06/20 às 12h24

O mundo está vivendo um momento nada agradável. Diariamente, nos deparamos com o grande avanço do Sars-CoV-2, vírus causador da Covid-19. Já são milhões de contaminados em todo o mundo e centenas de milhares de mortes por causa da doença. O vírus, no entanto, não atinge apenas as pessoas quem contraem a doença causada pelo novo coronavírus. Até que criem uma vacina, o método mais eficaz encontrado pelas autoridades é o distanciamento social. A quarentena é responsável pelo salvamento de várias vidas, mas também danifica a saúde mental de outras pessoas.

Ficar longe do trabalho, dos familiares e amigos mais próximos impacta todo mundo. Não é algo que desejamos, nem mesmo na pior das situações. De acordo com o psicanalista Ronaldo Coelho, "esse é um período de luto coletivo em que é preciso ressignificar as necessidades e os valores da vida. Isso vem associado a angústia da incerteza financeira e ao medo da contaminação". O que o profissional diz é que, assim como já podemos imaginar, a quarentena é bastante cruel com as pessoas que sofrem de ansiedade e depressão. Entenda um pouco mais com a gente e surpreenda-se. Aproveite para compartilhar com seus amigos.

Como a quarentena atinge pessoas com problemas de ansiedade e depressão

A situação de isolamento social é bastante cruel com aqueles que já sofrem com transtornos como depressão, bipolaridade e ansiedade. Essas pessoas sentem a quarentena de uma forma mais intensa que o restante do mundo. Falta de apetite, dificuldade para dormir e ausência de concentração são algumas das chateações vividas. "Ainda preciso trabalhar, mas não consigo fazer outras coisas além disso. É difícil focar em algo sabendo que h[a um caos lá fora", disse um advogado de 27 anos que sofre com esse período.

Um estudo preliminar realizado pelas universidades Swansea e de Manchester, ambas do Reino Unido, levantou dados importantes. Analisaram pessoas maiores de 18 anos e alertaram para um aumento significativo dos sentimentos de ansiedade e depressão durante a pandemia de Covid-19. Em especial, entre aqueles em situação financeira ou social mais vulnerável. Aqui no Brasil, a situação também é preocupante, visto que cerca de 11,5 milhões de pessoas sofrem com problemas de depressão. Isso, segundo dados apresentados em 2017 pela Organização Mundial da Saúde.

A pandemia e a quarentena podem aumentar ainda mais esses casos. Estudos realizados por psicólogos apontaram a duplicação dos sintomas de ansiedade e depressão no país em apenas um mês de quarentena. Na primeira semana de estudo, entre 18 e 22 de março, a prevalência de sintomas de ansiedade e depressão entre os participantes era de 4,2%. Já entre os dias 15 e 20 de abril, esse índice subiu para 8%. Até mesmo a mudança repentina dos hábitos alimentares e físicos danificam o psicológico dessas pessoas. Para isso, dicas de alimentação e terapia online tem ajudado muitos que sofrem durante esse período de afastamento social.

Ajuda

Várias instituições fornecem ajuda a todos que se sentem angustiados e necessitam de orientação profissional. O Centro de Valorização da Vida é uma delas. A rede realiza diariamente atendimentos gratuitos de apoio emocional e prevenção ao suicídio. Há ainda a garantia de sigilo e o acesso se dá via e-mail e chat 24 horas. Basta acessar o site da instituição para obter mais informações e a ajuda necessária.

E aí, o que você achou dessa matéria? Comente então pra gente aí embaixo e compartilhe com seus amigos. Lembrando sempre que o seu feedback é extremamente importante para o nosso crescimento.

Próxima Matéria
Via   Revista Galileu  
Diogo Quiareli
Geminiano, 26 anos, goiano. Amante de música pop, fã de Katy e Luan.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+