• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Como é a vida de alguém que nunca experimentou o silêncio?

POR Cristyele Oliveira    EM Curiosidades      22/09/19 às 21h13

Às vezes, tudo o que a gente precisa, depois de um dia cansativo e estressante, é chegar em casa e poder desfrutar da tranquilidade que só o silêncio nos proporciona, não é mesmo? Vivemos uma vida agitada e barulhenta, então, o silêncio se tornou uma recompensa. Agora, imagine uma pessoa que nunca conheceu o som do silêncio. Alguém que consegue ouvir o som até dos seus movimentos oculares, da batida do seu coração e qualquer mínimo detalhe a sua volta. Essa é a realidade de Gemma Cairns, que sofre com uma condição rara que a obriga a ouvir o seu próprio sangue, correndo pelas suas veias a cada segundo. Ela viveu um verdadeiro pesadelo por toda a sua sua vida toda.

Hoje, com 32 anos, Gemma está fazendo o tratamento correto e inclusive já operou uma das orelhas. Mas, para chegar até um diagnóstico e um tratamento, foi um longo caminho. A começar pelo fato de que ela não percebeu que isso era algo anormal até a sua adolescência. Ela tinha 14 anos, quando contou a sua mãe sobre isso, e desde então, vem procurando desesperadamente por respostas e cura para essa condição.

Uma vida barulhenta

"Nunca ouvi um silêncio completo", disse ela. "Sempre tive barulhos. Eu sempre ouvi meus olhos se moverem e meu coração bater na minha cabeça".

Desde que revelou a sua mãe sobre o constante incômodo de ouvir tudo a sua volta, ela vem procurando formas de aliviar a sensação. Porém, depois de anos de medicamentos prescritos para problemas nasais e ouvidos entupidos, ela desistiu. Gemma só veio a ter uma esperança real em 2016, quando se mudou para Glasgow, na Escócia. Foi quando ela finalmente foi diagnosticada com deiscência bilateral do canal semicircular superior. Para ser mais claro, falta em Gemma uma parte do osso temporal, nos dois canais auditivos dela, o que afeta tanto a sua audição, quanto o seu equilíbrio.

Essa condição rara assola todos os seus movimentos. É tudo tão complexo, que a mulher não consegue sequer descrever para as pessoas como é a sensação de ouvir tudo ao seu redor. "Quando você diz a alguém: 'Eu posso ouvir meus olhos se mexendo', as pessoas me perguntam como é o som e tento pensar em tantas coisas com as quais posso descrevê-lo, mas simplesmente não posso dizer um som que soa remotamente parecido com ele", conta ela.

Cirurgia

No ano passado, ela passou por uma cirurgia de readequação de uma das orelhas. E nesse ano, irá realizar o mesmo procedimento na outra orelha. Se tudo correr bem, essa será a primeira vez em que a mulher irá experimentar um silêncio completo.

A primeira cirurgia foi um sucesso e corrigiu o problema em sua orelha direita. Agora, ela aguarda para fazer o procedimento na orelha esquerda, em outubro. "Você não pode operar os dois ao mesmo tempo", disse ela, "porque isso deixa você completamente desequilibrado por um tempo".

Porém, dessa vez, ela corre o risco de perder a audição completa do ouvido esquerdo. Mas é um risco que ela está disposta a correr por uma chance de poder ouvir o silêncio.

Gemma já percorreu um longo caminho, e procura desesperadamente por uma cura. A próxima cirurgia, por mais arriscada que seja, é a sua única esperança de colocar um fim àa sua luta de uma vida inteira.

Agora, ela espera que a sua história ajude outras pessoas, que possam sofrer do mesmo problema. "É uma condição rara, mas acho que é mais não diagnosticada do que qualquer outra coisa", disse ela. "Acho que as pessoas têm, mas não sabem que podem obter ajuda".

E você, consegue imaginar uma vida sem silêncio algum? Conta para a gente nos comentários e compartilhe com os seus amigos.

Próxima Matéria
Via   ati  
Imagens ati
Cristyele Oliveira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+