icone menu logo logo-fatos-curiosos.png


Como eram os ritos de morte dos brasileiros há 10 mil anos atrás

POR Leticia Rocha EM Curiosidades 22/10/18 às 17h51

capa do post Como eram os ritos de morte dos brasileiros há 10 mil anos atrás

Nosso passado é de extrema importância para nosso desenvolvimento futuro. Entender e conhecer de onde viemos, nos ajuda a entender melhor quem foram nossos antepassados. Para isso é necessário muita pesquisa e exploração. No Brasil, acreditava-se que não existiam rituais funerários, pois se tratava de uma sociedade que lidava de forma "simplista" com a morte e seus ritos.

No entanto, uma descoberta recente provou o contrário. Restos mortais foram encontrados em Matozinhos, cidade de Minas Gerais. Coincidentemente, essa é a mesma região aonde o crânio de Luzia foi encontrado. O fóssil da mais antiga brasileira de que se tem notícia.

Restos encontrados

Dentro de uma caverna em Matozinhos foram encontrados: dedos cortados, ossos quebrados, ossos pintados de vermelho, restos queimados e por aí vai. Além disso, havia no local uma remontagem de ossos, no entanto, de indivíduos diferentes. Os cortes eram realizados de forma regular e no final, tudo parecia um grande lego que se encaixava.

Crânios quebrados e também usados como recipientes. Alguns continham restos que haviam sobrevivido a queima e também dentes que foram arrancados. O processo era feito usando ferramentas muito simples, no entanto, parece ser extremamente complexo.

Como eram os rituais

Os ossos,, como já dissemos anteriormente, eram cortados de forma regular e depois encaixados. Os pesquisadores atribuíram esse ritual a uma demarcação do ciclo da vida. Ossos de crianças e adultos eram misturados, algo que simbolizava a trajetória da juventude a velhice.

Os pesquisadores ainda não conseguiram desvendar todos os ritos e suas significações. Há ainda um longo caminho de pesquisa pela frente, no entanto, eles conseguiram separar de que forma esse ritual acontecia. A primeira fase era bem simples, os corpos eram simplesmente enterrados. A segunda e a terceira fase compõem as partes mais complexas.

Na segunda fase, acontecia o processo mais intenso do rito. Os esqueletos tinham seus ossos quebrados, pintados, encaixados e queimados. É importante frisar que esse processo não obrigatoriamente era realizado com todos os ossos. Algumas dessas ações ocorriam com alguns ossos e com outros não. Na terceira fase e última, os ossos eram desarticulados (montagem de vários indivíduos) e então algumas partes eram quebradas de forma proposital.

Os pesquisadores ainda estudam o que cada uma dessas fases e ações significa, para compreender melhor os ritos de morte de cerca de 10 mil e 500 anos atrás. A pesquisa tem sido realizada através do projeto Morte e Vida na Lapa do Santo.


Próxima Matéria
avatar Leticia Rocha
Leticia Rocha
Jornalista e aprendiz de Dani Noce. No insta é ticia_rochaa
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Confira nosso Pinterest