• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Como funciona o novo tipo de HIV recém descoberto?

POR Cristyele Oliveira    EM Ciência e Tecnologia      07/11/19 às 10h17

Foi divulgada, recentemente, a descoberta de um novo tipo de do vírus da imunodeficiência humana, o HIV, conhecido por ser o causador da Aids. Essa é a primeira vez em quase vinte anos, que uma nova cepa do vírus é descoberto por cientistas. A descoberta foi feita pelo laboratório norte-americano Abbott. Até então desconhecido, esse subtipo do vírus traz uma esperança a mais para ajudar a conter futuros surtos da doença, além de oferecer novas formas de tratamento.

Só no Brasil, atualmente, existem aproximadamente 870 mil pessoas que convivem com o vírus da imunodeficiência humana. De acordo com um levantamento do Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS, em alcance global, esse número ultrapassa os 37 milhões. Em 2019, pelo menos 1 milhão de pessoas morreram em decorrência do avanço da doença. O que mostra como é importante conter o avanço da doença. O estudo foi publicado, no jornal científico Journal of Acquired Immune Deficiency Syndromes.

O HIV

A nova cepa, denominada cepa L, se encontra no grupo M, que é definido como uma das quatro subclasses conhecidas do HIV. A primeira amostra dela foi descoberta no final da década de 1980, quando a doença estava no auge. Porém, naquela época, o material recolhido não era suficiente para ser estudado. Hoje, com o avanço tecnológico. Os cientistas conseguiram observar a sequência de seus genomas e classificá-lo de forma correta.

"Graças aos esforços da comunidade global da área da saúde nas últimas décadas, a meta de acabar com a pandemia de HIV está se tornando atingível", disse a bióloga Mary Rodgers. Ela, que trabalha para a Abbott, é uma das responsáveis pela pesquisa.

Agora que foi identificada e classificada, a cepa será analisada de perto por médicos e especialista de todo o mundo. Assim, poderá ajudar a conter novas pandemias virais. Mas, mais do que isso, essa descoberta do subtipo do vírus, abre diversas possibilidades futuras, como a criação de medicamentos e até mesmo vacinas, com base no estudo da estirpe.

A descoberta

A descoberta é resultado de um programa antigo da Abbott, que já dura 25 anos. O programa tem como foco inicial monitorar o vírus HIV e o vírus da hepatite. Nesses 25 anos desde o começo do programa, a empresa já coletou mais de 78 mil amostras de vírus. Além de identificar mais de 5 mil subtipos diferentes.

Embora seja muito animadora a descoberta, Rodgers já avisou que isso é apenas o começo do avanço no tratamento contra o vírus. "Encontrar essa nova cepa é apenas o começo. Compartilhando a sequência com a comunidade científica em geral, agora outros cientistas poderão avaliar como essa cepa é diferente das outras. Tanto em termos de tratamento e também para o desenvolvimento de diagnósticos ou testes, que possam detectá-lo. Agora, podemos focar em novos tratamentos e vacinas para esse subtipo, o que já representa uma melhoria", concluiu a bióloga.

Enfim, a descoberta desse novo tipo de vírus representa uma grande esperança para todos. Tanto para aqueles que possuem a doença, quanto a comunidade em geral. Afinal, ela pode ajudar a melhorar o tratamento e quem sabe até acabar com o vírus.

E você, o que achou da descoberta? Conta para a gente nos comentários. Posteriormente, aproveite para compartilhar com os seus amigos.

Próxima Matéria
Via   Veja     Exame  
Cristyele Oliveira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+