• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Como os papagaios conseguem falar?

POR Jesus Galvão    EM Mundo Animal      23/10/19 às 10h54

Muitos de nós já nos divertimos bastante ao observar papagaios replicando a fala humana. Tal habilidade, apesar de arrancar muitos sorrisos, também impressiona bastante. Afinal, além das produções audiovisuais, animais falando não é algo a que estamos acostumados a ver todos os dias.

Por isso, muitos estudos já foram realizados, para tentar compreender os mecanismos que possibilitam aos papagaios falarem. De acordo com cientistas, essas aves possuem estruturas cerebrais diferentes das demais. Eles atribuem isso à habilidade de reproduzir as palavras e frases que eles aprendem ao ouvir os humanos.

Em um novo estudo, os pesquisadores desvendaram as principais diferenças estruturais no cérebro dos papagaios. O que pode explicar a capacidade desses animais, em reproduzir os sons e a fala humana. Além do mais, eles descobriram que a região do cérebro que "coordena" a fala dos papagaios é a mesma que controla seus movimentos. Isso explicaria porque muitos deles "dançam", quando está tocando uma música.

Tais descobertas podem ainda nos dar algumas informações sobre os mecanismos neurais responsáveis pela fala humana. "Essa descoberta abre uma enorme campo de pesquisa com papagaios, na tentativa de entender como os papagaios estão processando as informações necessárias para copiar novos sons e quais são os mecanismos subjacentes à imitação dos sons da fala humana", disse Mukta Chakraborty, da Universidade Duke.

Essas aves são alguns dos poucos animais considerados "aprendizes vocais". Em outras palavras, elas possuem a habilidade de imitar sons. Porém, porque alguns deles eram melhores do que os outros na tarefa, ainda permanecia um mistério.

Estruturas diferentes

Anteriormente, acreditava-se que isso tinha alguma relação com o tamanho do cérebro desses animais. No entanto, no estudo publicado no PLOS ONE, os pesquisadores explicaram que o cérebro dos papagaios possuem estruturas diferentes de pássaros canoros e beija-flores. Sendo estas aves que também exibem aprendizado vocal.

Além de locais definidos no cérebro, que controlam o aprendizado vocal e que foram chamados de 'núcleos', os papagaios possuem algumas 'conchas', ou anéis externos, que estão diretamente envolvidos em seu aprendizado vocal. De acordo com o estudo, essas conchas seriam maiores em espécies de papagaios conhecidas por imitar a fala humana.

O cérebro de oito espécies de papagaios foram examinados. Incluindo duas espécies de papagaio da Amazônia e uma arara azul. Os cientistas buscaram marcadores genéticos específicos que já eram conhecidos por sua atividade no cérebro humanos e de pássaros que aprendem canções.

Foi descoberto que o Papagaio-da-Nova-Zelândia tem uma estrutura rudimentar de conchas. O que sugeriu que os neurônios dessas aves tenham surgido há, ao menos, 29 milhões de anos. Além do mais, o estudo confirmou a hipótese de que, em humanos e alguns outros animais, a capacidade de imitar surgiu pela duplicação das vias cerebrais.

"É preciso um poder cerebral significativo para processar informações auditivas e produzir os movimentos necessários para imitar sons de outras espécies", disse Chakraborty. "A questão é: quão especializados são esses cérebros de papagaios e de que maneiras? É apenas um grupo seleto de genes especializados, ou são algumas projeções específicas que ainda não descobrimos?".

Dessa forma, os pesquisadores pretendem realizar novos estudo para examinar se essas conchas aprimoram a habilidade dos papagaios, em imitar a fala humana.

Então pessoal, o que acharam da matéria? Deixem nos comentários a sua opinião. Posteriormente, não esqueçam de compartilhar com os amigos.

Próxima Matéria
Jesus Galvão
Goiano, Canceriano e Publicitário.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+