• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Confira se ''Blade Runner'' acertou nas previsões para o futuro

POR Erik Ely    EM Ciência e Tecnologia      21/11/19 às 15h57

Estamos em novembro de 2019. Los Angeles e o mundo vivem um estado de decadência, isso porque uma nova invenção ameaça a humanidade. Estes seres são androides intimidadores foram construídos por nós e se rebelam contra humanidade. Tudo o que eles querem é ser como nós, mas não se sabe se eles podem ser considerados seres humanos. Isso é basicamente o que ocorre no filme Blade Runner (1982), mas será que essas previsões estavam certas?

Depois de quarta-feira (20/11), o universo de Blade Runner é oficialmente parte do passado. Em 1982, foi assim que o diretor Ridley Scott imaginou o futuro nesta data de 2019. Ele se baseava no conto do autor, Philip K. Dick, para imaginar como seria a vida de agora. E mesmo que não tenhamos carros voadores, o filme acertou em outros pontos da nossa vida.

Confira os erros e acertos de Blade Runner para o futuro.

1 - Carros voadores

Vai falar que você também não esperava por essa? Os carros do universo de "Blade Runner", os spinners, chegaram três anos antes do De Lorean, mas mesmo assim, ainda não é possível voar em um desses.

Em síntese, é uma promessa que já nos acompanha há décadas. Acontece que, só de imaginar todos os gastos para viabilizar essa tecnologia, mesmo em 2019, certamente seriam absurdos. Mas a esperança é a última que morre, quem sabe Elon Musk ainda não tenha uma "surpresinha" guardada para esse ano?

2 - Outdoors datados

Ainda nos anos 1980, outras marcas, que nem conhecemos, ainda faziam sucesso. E dentro do filme, a Warner Bros. havia fechado uma série de acordos comerciais, para inserir marcas nos outdoors do filme. Acontece que, com o passar dos anos, muitas dessas marcas ficaram para trás e acabaram por entregar a data de produção da ficção-científica. Veja os exemplos:

* Pan Am: Uma companhia aérea estadunidense que, após problemas financeiros, declarou falência e encerrou atividades em 1991.

* Bell System: Uma empresa que dominou o setor de telefonia norte americano, por muitas anos. Antes da presente data, a AT&T foi fechada, em 1982.

* Atari: A empresa foi encerrada por conta de uma briga dos videogames de 1983. Nunca se reergueu depois do surgimento de empresas como Nintendo, Sega, Sony e Microsoft.

* Cuisinart: Empresa de processadores de alimentos que quebrou por diversas vezes, até ser comprada pela Conair.

* Tsingtao: Cervejaria originalmente alemã e que foi a única do seu grupo, a não passou por problemas maiores e ainda permanece em funcionamento.

* Coca-Cola: Outro grande nome da lista, continua funcionando em pleno vapor.

Uma outra curiosidade é que, na sequência do filme Blade Runner 2049 (2018), mesmo as empresas que não existem, foram mantidas na história.

3 - Chamadas de vídeo

Em uma cena do filme, o policial Deckard e a replicante Rachael realizam uma chamada por vídeo. O que antes só era possível dentro da ficção, hoje, faz parte da rotina de muitos de nós.

Uma tecnologia que só se tornaria popular em 2003, com o surgimento do Skype, se tornou mais acessível do que se imaginava. Enquanto no filme, uma ligação custava US$ 4,30 (cerca de R$ 17,16 atualmente), o serviço pode ser realizado gratuitamente, com acesso a um pacote de dados e wi-fi.

4 - Imagens 3D

Na filme, Deckard analisa uma foto em uma espécie de scanner policial. Esse equipamento barulhento conseguia tratar uma imagem 2D como 3D. Fato esse, que fez com que Deckard encontrasse informações escondidas na foto.

Com isso, se podia aproximar, focar e até chegar perto sem perder a qualidade da imagem. Hoje, há diversos aplicativos, que podem fotografar um ambiente em 3D. Esse recurso pode ser encontrado em apps, como o Photosynth. Só que buscar um ângulo diferente do capturado continua impossível.

5 - Detectores de mentira

Para investigar se alguém era humano ou robô, se utilizava o método Voight-Kampff, no filme. Perguntas que provocassem reações emocionais eram feitas. Enquanto isso, uma máquina monitorava as funções corporais e essas respostas.

Esse equipamento possuía uma aparência bem mais futurista do que o polígrafo, por exemplo, de 1921. Hoje, esse "detector de mentiras" possui sua credibilidade contestada. De todo modo, a empresa americana Converus oferece uma tecnologia que monitora a íris para detectar mentiras.

6 - Casas inteligentes

Ao chegar em casa, Deckard usa um comando de voz, para ser identificado. Ele digita "Deckard 97" e uma voz feminina responde com "Obrigada!".

Na vida real, a Amazon e o Google Assistente podem nos identificar, por meio de padrões de voz. Além disso, também há cartões para abrir portas em hotéis ao redor do mundo. Mas a tecnologia mais recente na área, são sinais emitidos por celulares e pelo uso de leitores biométricos.

7 - Robôs inteligentes

No filme, a empresa criadora dos androides diz que suas criações são "mais humanos do que os humanos". Mesmo com uma inteligencia artificial, eles possuíam um conhecimento equivalente ao de seus criadores.

Hoje, longe da ficção, os robôs não possuem aparência tão "extravagante" como no filme. E mesmo com formas humanoides, como a robô Sofia, eles surgem com conversas travadas e com um roteiro previsto.

Ainda estamos longe de ter robôs, com reflexões existenciais sobre sua criação e mortalidade, porém, muito na ciência e tecnologia já foi feito. Por isso, quem sabe não estejamos bem próximos de viver em um universo cyberpunk?

Próxima Matéria
Via   G1     Meio Bit  
Erik Ely
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+