• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Conheça a história de Marie Laveau, a implacável Rainha do Vodu

POR Erik Ely    EM Curiosidades      25/03/20 às 14h50

Maria Laveau, a implacável Rainha do Vodu, foi uma das mulheres mais respeitadas dos Estados Unidos, no século 19. E, recentemente, ela ficou bastante conhecida, por ter sido retratada na série American Horror Story.

O vodu é uma religião popular em Nova Orleans. Dessa forma, a cidade, no estado de Louisiana, é conhecida por sua festa carnavalesca Mardi Gras, suas raízes francesa e a presença da música jazz. Mas acima de tudo, pela forte influência negra na região. E é nesse local, que viveu Maria Leaveu, a feiticeira de Nova Orleans.

Uma das mulheres mais respeitadas nos Estados Unidos

A origem de Marie ainda é rodeada de mistérios. Contudo, acredita-se que ela tenha nascido em setembro de 1801, no Bairro Francês, em Nova Orleans e seja filha de uma escrava liberta e do prefeito da cidade, Charles Laveau. Depois disso, ela aprendeu os ofícios do vodu com a mãe e a avó durante a adolescência.

Em 1819, Marie se casou com Jacques Paris. Depois de um ano, Paris morreu sob circunstâncias misteriosas. Marie então abriu um salão de cabeleireiros com a herança do marido. Desse modo, esse foi o primeiro passo para sua importante carreira como feiticeira da cidade.

Muitas das vezes, seu trabalho como cabeleireira vinha acompanhada de atividades religiosas. Sendo respeitada pela elite da cidade, Marie atendia as clientes em suas casas, onde realizava os trabalhos de curandeira, fitoterapeuta, leitura de cartas e supostos feitiços. Assim, ela ajudava pessoas a enriquecer e provocar abortos, em casos de gravidez fora do casamento.

Na praça Congo, nos arredores da cidade, cerimônias de vodu eram conduzidas por Laveau. Aos domingos, galos e bodes eram sacrificados para que o sangue fosse derramado em pessoas que precisavam de purificação. Os frequentadores ainda entravam em transe durante o ritual. Além disso, lendas afirmam que ela tinha uma cobra chamada Zombi, em homenagem a um deus africano. Mas não há documentos, que sustentem essa afirmação.

Ela andava nas ruas como se fossem dela

De acordo com a escritora Barbara Rosendale Duggal, em seu livrou "Crioulo, A História e o Legado do Povo de Cor Livre da Louisiana", um morador da cidade descreve Maria dizendo que "ela andava pelas ruas como fosse sua dona". Assim, a Rainha do Vodu ainda era descrita como alta e bonita, sempre usando lenços coloridos e brincos brilhantes.

Sempre temida e respeitada, ela se casou uma segunda vez, com Christophe Dominick de Glapion, com quem teve 15 filhos. No entanto, apenas duas meninas chegaram à ideia adulta. Ela seram Marie Euchariste Eloise Laveau e Marie Philomene Glapion. Depois de 1860, Laveau parou de realizar seus rituais públicos e levou uma vida mais tranquila. Porém, ainda era vista andando pela cidade, onde exercia um papel fundamental para movimentos sociais. No dia 15 de junho de 1881, ela morreu pacificamente em sua casa. Foi realizado um grande funeral em sua homenagem, onde até mesmo membros da elite branca de Louisiana também compareceram.

Seu legado ainda tem um forte impacto, sendo considerada um verdadeiro ícone cultural. Por fim, podemos citar a representação de Marie Laveau, na terceira temporada da série American Horror Story: Coven. Assim como existem músicas dedicadas à ela e até mesmo uma linha de perfumes que carrega seu nome.

Próxima Matéria
Erik Ely
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+