• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Conheça a história dos Ainu, os povos indígenas esquecidos do Japão

POR Erik Ely    EM História      27/05/20 às 17h23

Os povos indígenas do Japão, os Ainu, foram os primeiros colonos de Hokkaido, a ilha do norte do Japão. No entanto, a maioria dos viajantes nunca chegou a ouvir falar deles. Por isso, separamos um pouco da história dos povos indígenas esquecidos do Japão.

Os Ainu acreditam que o urso seja um animal sagrado. Desse modo, eles o adoram como uma divindade, garantindo a boa sorte para a comunidade. "Pegamos os ursos quando filhotes e os criamos como um membro da família. Eles comem da nossa comida e vivem em nossa aldeia. Assim, quando chegou a hora, liberamos um de volta à natureza e matamos o outro para comer", conta Kimiko Naraki, de 70 anos e parte da comunidade Ainu.

Uma história que foi se perdendo com o tempo

No idioma da tribo, "Ainu" significa "ser humano". Os ainus são um povo indígena que vive principalmente em Hokkaido, um ilha mais ao norte do Japão. Contudo, ele já estiveram em terras que já foram do norte de Honshu (continente japonês), ao norte de Sakhalin e das Ilhas Curilas (que agora são parte disputada da Federação Russa). Além disso, por mais que os ainus possuam uma identidade cultural, linguística e física fortíssima, eles não são conhecidos da maioria dos viajantes. Isso acontece porque, embora eles tenham sido os primeiros colonos de Hokkaido, por séculos, eles foram oprimidos e marginalizados pela dominação japonesa.

Ao longo da história, os Ainu tiveram uma história difícil. De fato, suas origens são sombrias, mas alguns estudiosos acreditam que eles sejam descendentes de uma população indígena que já se espalhou pelo norte da Ásia. Desse modo, os Ainu costumavam Hokkaido de "Ainu Moshiri", que significa "Terra dos Ainu". Portanto, sua ocupação era caçar, explorar e pescar, bem como muitos povos indígenas ao redor do mundo. Entretanto, essa situação mudou ao longo do tempo.

Após a Restauração Meiji, cerca de 150 anos atrás, as pessoas do Japão continental começaram a emigrar para Hokkaido, uma vez que o Japão estava colonizando a ilha mais ao norte. Dessa forma, uma série de práticas discriminatórias como a fizeram com que os Ainu fossem deslocados de sua própria terra.

Por que somente agora o Japão reconheceu o povo Ainu?

Já que não podiam mais pescar nos rios e praticar a caça em suas terras, eles foram obrigados a desenvolver técnicas de agricultura. Mas com isso, eles também foram lentamente despojados de sua cultura e tradição. Assim, eles foram obrigados a adotar nomes japoneses, a falar a língua e até mesmo a abandonar a cerimônia do urso. Com isso, mesmo após tanto tempo, os Ainu permanecem pobres e sem privilégios políticos. Além de também, terem perdido muito de seu conhecimento ancestral.

Somente no início de 2019, o governo japonês propôs um projeto de lei para reconhecer os Ainu como "povo indígena". "É importante proteger a honra e a dignidade do povo Ainu e transmiti-las à próxima geração", afirmou Yoshihide Suga, porta-voz do governo. Somente assim, será possível "construir uma sociedade vibrante com valores diversos", completou.

Assim, como um primeiro passo para resgatar a memória do povo Ainu, uma museu será construído na cidade de Shiraoi, em Hokkaido. Além disso, o projeto também contempla uma série de festivais que buscam manter vivos as tradições do povo Ainu. Embora este seja um passo significativo para a preservação da cultura Ainu, ainda há muito para ser feito. Por isso, ativistas ainda buscam uma reparação no tratamento que recebem os Ainus. Isso poderá mostrar que, no Japão, existem povos indígenas. Mas, acima de tudo, é preciso que o ainus sejam respeitados e possam viver pacificamente no país.

Próxima Matéria
Via   BBC  
Imagens BBC
Erik Ely
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+