• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Criança inca foi vítima de um dos rituais mais sádicos da história

POR Renata G Pereira    EM Curiosidades      03/10/19 às 16h48

Ao que parece, uma criança inca foi vítima de um dos rituais mais sádicos da história. Isso porque os Incas acreditavam que, para agradar aos deuses, era necessário lhes oferecer presentes, orações e sacrifícios através de rituais sagrados. E se fosse um sacrifício humano, onde crianças eram oferecidas, mais bondosos os deuses seriam e os abençoariam com riquezas, saúde e fertilidade. Mas esse ritual brutal específico, envolvendo uma criança, foi descoberto por arqueólogos. O ritual era conhecido como Capacocha, onde o sacrifício era oferecido uma vida ao deus inca, Viracocha.

Durante o ritual, as crianças, que serviriam como oferendas, eram levadas ao topo do vulcão, e eram deixadas ali, para que fossem atingidas por raios ou morressem congeladas. Um corpo, de uma criança mumificada e congelada, foi encontrado em Pitchu Picchu, no Peru. Possivelmente, essa criança foi vítima de um dos rituais mais sádicos da história.

 As vítimas do ritual

As crianças vítimas, que eram oferecidas no ritual, eram escolhidas por sua beleza e pureza. Os incas acreditavam que as crianças serviriam como um canal, entre a humanidade e os deuses.

As crianças eram levadas a acreditar que, se sacrificar pelo seu povo, era o ato mais honroso que alguém poderia fazer. E como recompensa, essas crianças viveriam no céu, ao lado de seus deuses.

Isso, de acordo com a arqueóloga Dagmara Socha, que trabalha com o Centro de Estudos Andinos da Universidade de Varsóvia. "Os incas consideravam as crianças puras e intocadas; seu status deveria facilitar a persuasão dos deuses a tomar decisões específicas", afirmou Dagmara.

Crianças de toda parte do império inca foram levadas de suas casas, para servirem de oferendas no alto do vulcão. Elas ficavam lá até serem atingidas por raios ou morrerem congeladas. Em suma, o sacrifício de crianças era uma prática muito comum na civilização inca.

"Segundo os incas, uma pessoa atingida por um raio recebia uma grande honra - um deus manifestou interesse nessa pessoa", disse Dagmara.  E o local onde o corpo congelado foi encontrado, é conhecido por ser um local onde há uma maior liberação de eletricidade estática nas nuvens. Como parte do solo ao redor do corpo foi totalmente cristalizado, esse fato acontece, geralmente, quando há um aumento da pressão e da temperatura.

Com os estudos do corpo mumificado, foi possível definir que a criança foi tirada da família por volta de três anos antes de ser sacrificada. "Suponho que foi então que a garota foi tirada dos pais e levada para Cuzco, capital do império inca, onde a garota estava sendo preparada por três anos para ser sacrificada no topo do vulcão", declarou Dagmara Socha.

O Ritual

Em 2016, no Peru, arqueólogos encontraram um santuário que foi usado pelos incas para realizar sacrifícios de crianças. O ritual realizado era o Capacocha, que significa sacrifício solene ou obrigação real.

Nele as crianças de grande beleza e saúde eram drogadas e levadas até o cume da montanha. Lá, elas ficavam expostas a raios ou ao frio congelante do lugar. Ou seja, era uma forma muito sádica de se matar crianças.

O ritual era realizado com maior frequência, quando algum rei inca morria. Os senhores locais eram obrigados a selecionar crianças puras, para representar o ideal da perfeição humana. Porque era isso que agradaria aos deuses.

Para os incas, os rituais serviam para abençoar eventos de sua cultura. Como uma comemoração da vida do imperador inca, onde acreditavam que seriam levados para os deuses após sua morte. Ou para impedir desastres naturais, incentivar o crescimento de culturas ou para cerimônias religiosas.

Próxima Matéria
Via   .foxnews     dailymail  
Imagens uol
Renata G Pereira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+