icone menu logo logo-fatos-curiosos.png


O que existe dentro de um Nintendo Switch desmontado?

POR Erik Ely EM Curiosidades 16/09/20 às 12h19

capa do post O que existe dentro de um Nintendo Switch desmontado?

Voltando alguns anos no tempo, em 2016, a Nintendo apresentou o Switch para o mundo e antes mesmo de seu lançamento, as expectativas já eram grandes. Hoje, quatro anos depois, o console está chegando oficialmente ao país e já possui uma vasta biblioteca de jogos, de erros e de acertos. Contudo, para além do que o videogame consegue oficialmente rodar, muitos se perguntam qual o real poder de processamento do videogame. Para responder essa questão, precisamos dar uma olhada dentro de um Nintendo Switch desmontado.

De fato, a tecnologia possui suas limitações. No entanto, recentemente, o console recebeu o game The Witcher 3, que aparece ao lado de grandes outros títulos. Com isso, fica mais difícil um pouco de entender os limites do console. Afinal, do que o videogame é tecnicamente capaz?

Peças e componentes gráficos que não são impressionantes

Desde sempre, a Nintendo é sinônimo de inovação e com o Switch não é diferente. Portanto, aqui, estamos falando de um console que é híbrido. Ou seja, pode ser jogado tanto na televisão como um portátil e levado para todos os lugares. Mas, quando analisamos por uma ótica bem generalizada, percebemos que o aparelho se torna um tablet com saída de vídeo e dois controles. Assim, o diferencial do videogame não está na inovação da tecnologia e sim, como ele a usa.

Ao abrir o console, percebemos que não nada de muito especial. Isso porque, o Switch usa o Tegra X1, um System on Chip (SoC) que foi desenvolvido em 2015 pela Nvidia e que era voltado para o Shiel, o setup-box da empresa. Além disso, enquanto CPU, temos uma arquitetura ARM com quatro núcleos A57 que rodam a 1900 MHz. Porém, dentro do sistema, esse número foi rebaixado para 1020 para conservar a bateria e controlar a temperatura do videogame. Para compensar isso, também existem quatro núcleos A53 que rodam originalmente a 1300 MHz e só são ativados quando há muita carga de processamento.

 Tudo isso foi feito com a tecnologia de 2017

Originalmente, o chip gráfico funcionaria com uma arquitetura Maxwell com 256 núcleos rodando a 1000 MHz. No entanto, esse número foi diminuído para 768 MHz quando conectado à TV e para 460 MHz quando usado como portátil. Tudo isso é aliado a 4GB de memória RAM DDR4 de baixo consumo energético. Assim, isso roda a 1600 MHz na TV e 1331 MHz como portátil.

De forma resumida, o console é capaz de muita coisa, mas com limitações evidentes. Mesmo com jogos relativamente simples, o Switch parece apresentar dificuldades na execução de algumas funções. Assim, comparando com versões de outros consoles, podemos perceber que há menos inimigos e "menos cenário" dentro dos jogos. Tudo porque é necessário "cortar" algumas coisas para que elas encaixem dentro do Switch. Em outras palavras, isso faz com que jogos como Doom Eternal e Wolfenstein 2 rodem a 60 fps sem maiores percas na jogabilidade. Porém, isso não vale para todos os casos, Mortal Kombat 11, por exemplo, não teve a mesma sorte.

No futuro, possíveis mudanças podem vir e há boatos de uma versão atualizada do Nintendo Switch. De toda forma, só nos resta esperar. Até porque, como as vendas estão indo bem, é de se esperar que a Nintendo não lance um console completamente novo.


Próxima Matéria
Via   Switch Brasil  
Imagens Switch Brasil
avatar Erik Ely
Erik Ely
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Confira nosso Pinterest