• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Entenda como a biotecnologia poderá permitir a permanência dos humanos na Lua e em Marte

POR Erik Ely    EM Ciência e Tecnologia      07/02/20 às 18h20

Nos últimos anos, temos vistos avanços em planos de agências espaciais e empresas privadas para estabelecer a raça humana em outros mundos, como Marte e a Lua. Contudo, ainda falta muito para garantir a nossa sobrevivência nesses lugares inóspitos. Por isso, entre outras tecnologias, a biotecnologia poderá permitir a permanência dos humanos na Lua e em Marte.

Através dessa tecnologia, que utiliza organismos vivos para fabricar produtos, pesquisadores poderão desenvolver medicamentos, construir habitats e muito mais. Além disso, tudo isso poderá ser feito inteiramente no espaço. Com isso, estudos inovadores da NASA prometem garantir a permanência da vida humana espaço afora.

Humanos estarão no espaço mais cedo do que imaginávamos

Recentemente, alguns experimentos mostraram que, talvez, seja possível cultivar plantações em outros mundo. Contudo, a NASA quer fazer mais, ela planeja fazer com que micro-organismos produzam os nutrientes normalmente encontrados nos vegetais. Dessa forma, esses microrganismos produzirão rapidamente quantidades controladas de nutrientes essenciais, os "BioNutrientes".

Em uma outra aplicação da biotecnologia, poderíamos avançar, e muito, em soluções para a medicina regenerativa. Com isso, poderemos melhorar a forma que viagens espaciais afetam o corpo humano. Em um desafio lançado, a NASA busca obter um tecido de órgão humano vascularizado. Ou seja, que tenha vasos sanguíneos e que possa ser controlado em ambiente de laboratório. Com tecidos assim, poderemos estudar formas de minimizar danos às células saudáveis.

Além disso, a biotecnologia poderia deixar medicamentos mais compactos e portáteis. Dessa forma, custos seriam reduzidos e, melhor ainda, mais medicamentos seriam produzidos e enviados ao espaço. Atualmente, o estudo é voltado para voos espacias de longa duração, que trazem maiores complicações. De fato, para conseguirmos habitar Marte ou a Lua, precisamos ter as condições necessárias. Por exemplo, em uma viagem como essa, os ossos se tornam frágeis e quebradiços, além de outros efeitos negativos, que afetam nosso corpo.

Construindo casas na Lua ou em Marte

Um novo projeto da NASA explora tecnologias, que possam criar estruturas habitacionais a partir de fungo. Com isso, e em condições adequadas, podemos manipular filamentos presentes nos fungos e assim, construir estruturas extremamente precisas. Em outras palavras, eles poderiam se tornar materiais como couro ou blocos de construção. Dessa forma, os pesquisadores esperam construir um habitat compacto em Marte. E a partir disso, economizar espaço e combustível. Além disso, os fungos poderão crescer em volta dessa estrutura, formando uma habitat totalmente funcional. E claro, protegidos de radiação.

Depois de tudo isso, ainda precisamos pensar no lixo que é gerado no espaço. Por exemplo, nas missões Apollo, uma cerca quantidade de lixo ficou para trás. Contudo, se quisermos estabelecer uma permanência em Marte ou na Lua, será preciso, mais do que nunca, gerenciar cuidadosamente o lixo produzido. Por exemplo, hoje, existe um projeto que recolhe fezes e outros "resíduos de missão". Depois disso, eles são descartados em uma nave e enviados de volta à Terra. No entanto, isso não será possível em viagens mais distantes. Por isso, há busca por novas soluções. Dessa forma, também por meio da biotecnologia, será possível criar uma fábrica de reciclagem biológica que, além de tudo, poderá gerar outros subprodutos. Entre esses subprodutos, podemos destacar, nutrientes, medicamentos, plástico e combustível.

Próxima Matéria
Via   NASA     Canaltech  
Erik Ely
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+