• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Essa certamente é uma das mortes mais terríveis de todos os tempos

POR Arthur Porto    EM Curiosidades      24/09/19 às 19h52

Mortes, mortes e mortes. Boa parte da história da humanidade é ilustrada por mortes horrendas. Muitas foram as maneiras cruéis e incomuns de alcançar o fim fatídico. No entanto, poucas merecem destaque, como a que vamos contar agora.

De acordo com o Journal of Archaeological Science, arqueólogos da Universidade de Milão descobriram o esqueleto medieval de um homem que morreu, por meio de método de tortura extremamente doloroso.

Segundo informações divulgadas pela imprensa, o suposto homem morreu quando ainda era relativamente jovem, entre 17 e 20 anos, em algum momento do século 13. Seu corpo foi enterrado perto de uma catedral em Milão, no norte da Itália.

As primeiras análises de seu esqueleto mostraram que o homem foi ferido simetricamente nos braços e pernas, o que sugere um tipo de lesão intencional. Com base em registros históricos, os pesquisadores levantaram a hipótese de que o homem havia sido torturado por meio da técnica "roda de Catherine". Além desta, muitas outras mortes foram ocasionadas por tal método.

O método de tortura

Conhecido por sempre matar a vítima de forma bem lenta, essa era a Roda da Tortura, ou "roda de Catherine". Com os membros presos em uma roda de madeira, as pessoas viam seus braços e pernas serem atingidos, pelos torturadores, com grandes martelos de metal. Depois disso, eram pendurados, ainda na roda, em praça pública, para que animais se alimentassem das vítimas vivas.

Em suma, o dispositivo de tortura foi usado até o início da era moderna (c. 1500). Os relatos, de como esse dispositivo foi utilizado, diferem. No entanto, geralmente, o ritual era sempre o mesmo. Um formato alternativo era a cruz de Santo André. Em ambos os casos, o corpo do condenado, sempre despedaçado, ficava exposto ao público.

Além de romper os membros, existem relatos que mostram indícios de inúmeras tipos de atrocidades. Além de ter a maior parte dos ossos quebrados, os condenados ainda eram feridos com lâminas, objetos contundentes, fogo, chicotes ou pinças em brasa. A vítima, morta ou não, sempre fica ali, exposta, como uma atração.

A exaustiva técnica de tortura era usada com mais frequência contra os acusados ??de crimes hediondos. Em contrapartida, no norte da Itália, onde o esqueleto foi encontrado, esse tipo de tortura, geralmente, era reservado para aqueles que eram acusados de propagar doenças.

O esqueleto

A descoberta ocorreu em meio à análise de 56 corpos. Os corpos foram encontrados sob a Praça San Ambrogio, datando do Império Romano ao século 16.  As mortes que envolvem cada esqueleto se diferem, nem todos morreram sob o domínio do Roda da Tortura. Especificamente nesse caso, o que chamou atenção da equipe foram duas fivelas em cada lado do corpo do indivíduo.

Antes das análises, acreditava-se que o corpo havia sido mutilado em batalha. Mas a distribuição dos ferimentos, cujas lesões ósseas eram perpendiculares às estruturas, revelou a suposta tortura. Além do método, os arqueólogos acreditam que o suposto esqueleto foi vítima de outro método. Para os pesquisadores, uma decapitação mal sucedida é suficiente para explicar a fratura craniana encontrada no esqueleto.

A obra Zürcher Blutgerichtsordnung (Procedimentos para a Corte de Sangue em Zurique), do século XV, contém uma descrição detalhada de como a punição na roda deveria ocorrer: "primeiro, o condenado era colocado de barriga para baixo com as mãos e pernas amarradas numa tábua para ser arrastado por um cavalo até o local da execução. A roda, então, era golpeada duas vezes em cada braço, uma vez acima do cotovelo e outra abaixo. Depois, cada perna recebia o mesmo tratamento, um golpe acima e outro abaixo do joelho. O nono e último golpe era dado no meio da espinha, que se quebrava".

Próxima Matéria
Imagens IFL Sciense
Arthur Porto
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+