icone menu logo logo-fatos-curiosos.png


Essa é a cirurgia plástica mais perigosa que existe

POR Bruno Dias EM Curiosidades 05/10/18 às 16h01

capa do post Essa é a cirurgia plástica mais perigosa que existe

Cada vez mais as pessoas estão mudando o que não gostam em seus corpos, e se elas podem mudar por que não desde que seja de uma maneira segura? Hoje em dia tem até programas de televisão que consertam as operações que deram errados. Qualquer cirurgia é complicada e as plásticas também não deixam de ser.

A cirurgia plástica mais perigosa de todas é o levantamento das nádegas. A vontade de ter uma bunda igual a da Kim Kardashian levou a duplicação dessas cirurgias nos últimos cinco anos. Com a morte de um paciente em Miami, os riscos que vêm juntos à essa cirurgia foram analisados.

Segundo a Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos, a taxa de mortalidade é a maior nessa cirurgia incluindo a de mama. E contrariando o que muitos acham, ela não é feita somente por motivos estéticos. O paciente pode procurar esse procedimento depois de uma grande perda de peso, doença grave ou acidente, e independente dos casos, envolve o mesmo risco.

Perigo

O mais perigoso é retirar gorduras de outras áreas do corpo e colocá-las nas nádegas para modelar e ampliar seu tamanho ou forma. E para que ela seja bem sucedida, a lipoenxertia requer hidratação significativa, e é por isso que geralmente é injetada no tecido que tem suprimento de sangue.

A gordura poderia ter sido injetada em outra localidade mas o risco de absorção é de 90%, então o lugar que ela é injetada para que a gordura não se mova é o músculo, e é aí que corre o risco e o perigo da cirurgia plástica.

O que a torna a mais perigosa é que um erro cometido pode levar o paciente à morte ou levá-lo a ter problemas realmente sérios. Um desses problemas pode ser a embolia. O embolismo é identificado como uma das principais causas de morte em cirurgias plásticas. E se a gordura injetada atingir a corrente sanguínea ela pode bloquear um vaso e se atingir os pulmões, bloqueia a entrada do ar e no cérebro, causando um derrame.

Fatores

Outro fator que faz a cirurgia aumentar seu risco é a quantidade de gordura injetada. O máximo seria 300 mililitros, mas tem cirurgiões que colocam quantidades maiores chegando até um litro. Em 2017, uma pesquisa entrevistou 692 cirurgiões para determinar a taxa de mortalidade dos pacientes que fizeram essa cirurgia. Eles disseram que em suas carreiras viram 32 casos de morte por embolia e 103 casos que não tiveram resultados fatais, mas danos sérios. Mas esses números podem ser bem maiores porque nem todos são relatados.

Pacientes que pretendem se submeter a cirurgia devem estar cientes dos riscos e pensar bem se o caso for puramente estético. E deve-se levar em conta que os riscos superam os benefícios.


Próxima Matéria
avatar Bruno Dias
Bruno Dias
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Confira nosso Pinterest