• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Essa tatuagem feita de eletrodo pode medir sua atividade cerebral

POR Erik Ely    EM Ciência e Tecnologia      21/05/20 às 10h24

Em 2015, Francesco Grego, chefe o do Laboratório de Materiais Aplicados à Eletrônica Impressa e Macia (LAMPSe) do Instituto de Física do Estado Sólido da Universidade de Tecnologia de Graz, desenvolveu uma tecnologia chamada "tatuagem de eletrodos". Mais do que um simples desenho feito em sua pele, essa tatuagem feita de eletrodo também pode medir sua atividade cerebral.

Desse modo, a criação usa polímeros condutores feitos em uma impressora a jato de tinta e colado à pele para medir a atividade cardíaca (ECG) e muscular (EMG) do indivíduo tatuado. Assim, por meio de avanços na tecnologia, a tatuagem pode ser usada em exames como eletrocardiogramas ou eletromiografias.

Uma tecnologia que pode ser usada para eletrocardiogramas ou eletromiografias

Conforme Grego e outros pesquisadores aprimoravam a tecnologia, em 2018, eles a tornaram capaz de medir a atividade cerebral. Dessa forma, é possível que ela seja usada em exames de eletroencefalografia (EEG).

Para isso, a composição e a espessura do papel usado para colar a tatuagem na pele e do polímero condutor foram otimizadas. Asim, a conexão entre eletrodo e a pele foi ainda mais melhorada, possibilitando o registro dos sinais cerebrais com maior qualidade. "As ondas cerebrais estão na faixa de baixa frequência e os sinais EEG têm uma amplitude muito baixa. Elas são muito mais difíceis de captar em alta qualidade do que os sinais EMG ou ECG", afirmou Laura Ferrari, uma das pesquisadoras do projeto.

Para se ter uma ideia, esse tipo de eletrodo, otimizado em 2018, é cerca de 100 vezes mais fino que um fio de cabelo humano. Com isso, as "tatuagens" podem se adaptar à pele irregular e dificilmente são visíveis no corpo. Em testes realizados sob condições clínicas, foi possível perceber que a medição das tatuagens é tão eficaz quando a realizada com eletrodos convencionais. "Nossas tatuagens são significativamente menos caras que os eletrodos de EEG atuais e também oferecem mais vantagens em termos de conforto no uso e medidas de longo prazo", afirmou Greco.

O primeiro eletrodo seco compatível com MEG

Os novos eletrodos de tatuagem são o primeiro tipo de eletro seco adequada para medições de EEG a longo prazo. Além disso, eles são, ao mesmo tempo, compatíveis com magneto-encefalografia (MEG). Assim, o MEG é um método de estabelecimento para monitorar a atividade cerebral. Até o momento, somente os "eletrodos úmidos" podiam ser utilizados com o MEG.

Esses eletrodos úmidos funcionam com base de eletrólito em gel ou pasta de eletrodo. Portanto, eles secam rapidamente e são inadequados para medições a longo prazo. Contudo, a nova geração de eletrodos de tatuagem consiste exclusivamente em polímeros condutores. Ou seja, não contém metais que possam ser problemáticas para exames MEG. Desse modo, a impressão é exclusiva com jato de tinta. Sendo assim, mesmo os pelos que crescem através da tatuagem não interferem na gravação do sinal. Por isso, eles são excelentes para medições a longo prazo.

Atualmente, o pesquisador está dando ideias sobre como essa tecnologia pode ser usada nas clínicas e projetos de neuroengenharia. Além de também, no campo das interfaces do cérebro do computador. "Com nosso método, produzimos o eletrodo perfeito e compatível com MEG, reduzindo custos e tempo de produção", afirma Greco.

Próxima Matéria
Erik Ely
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+