icone menu logo logo-fatos-desconhecidos.png


Esse cientista pode ter descoberto a cura para o envelhecimento

POR Leticia Rocha EM Ciência e Tecnologia 24/04/19 às 17h19

capa do post Esse cientista pode ter descoberto a cura para o envelhecimento

Envelhecer é um problema para muitas pessoas. Há inúmeras tentativas e esforços para tentar fazer com que isso ocorra da forma mais tranquila e imperceptível possível. O melhor, para muitos, seria a possibilidade de evitar que isso ocorresse. No entanto, isso se mostrou quase impossível já que o envelhecimento é algo que está em nossos genes e é muito difícil alterar isso. Apesar das dificuldades, um cientista acredita australiano diz estar no caminho para a descoberta da 'cura' para o envelhecimento.

Basicamente todo o seu trabalho é em torno das células antienvelhecimento que ajudam seu corpo na luta com o envelhecimento. Eu sei que parece estranho, mas ao que parece, seus experimentos têm surtido bons resultados. Conheça mais sobre os estudos do cientista australiano David Sinclair.

'O envelhecimento é uma doença tratável'

De acordo com o cientista David Sinclair, o envelhecimento é uma condição que pode ser tratável. No entanto, o governo vai na contramão desse pensamento e por isso não autoriza nenhum tipo de composto contra a velhice. A vontade do cientista é de que seu país, a Austrália, seja o primeiro a reconhecer a velhice como doença. Mas até que isso seja oficializado, nada de medicamentos ou tratamentos diretos para isso.

No entanto, David já trabalha com moléculas antienvelhecimento e elas têm se mostrado promissoras. O cientista aplicou as moléculas em seus familiares e até mesmo em seu cachorro. Sua mãe que já tinha sofrido com câncer de pulmão e conseguiu prolongar sua vida por 20 anos. Seu pai, de 79 anos, também conseguiu manter uma vida ativa por muito tempo.

Como ocorre o envelhecimento

A maioria dos pesquisadores na área acredita que nossas células são programadas para envelhecer. No entanto, Sinclair acredita que é possível enviar sinais para o DNA para desacelerar esse processo de envelhecimento. É normal que, com a idade, nossos genes comecem a degenerar. No entanto, o cientista tem estimulado uma classe de proteínas em específico para que elas desativem alguns dos genes que aceleram o envelhecimento.

É claro que, antes de deixar que sua família tivesse acesso às moléculas, ele as testou antes. De acordo com seus testes em camundongos, ele descobriu algumas substâncias que ativam as sirtuínas. Estas geralmente são ativadas quando diminuímos o consumo de calorias e aumentamos a prática de exercícios físicos. No entanto, com as moléculas, elas foram ativadas sem que essas tarefas fossem realizadas de fato. Não pense que apenas a aparência é beneficiada com as células, os órgãos do nosso corpo também resistem melhor a ação do tempo.

De acordo com suas pesquisas, o fígado, o coração, os rins, o cérebro e o sistemas reprodutivo e nervoso respondem bem às moléculas. O processo de envelhecimento não atinge tanto esses órgãos, quanto atingem aqueles que não têm acesso a essas moléculas. O próprio cientista é prova do quão eficaz tem sido sua pesquisa. Sinclair tem 50 anos de idade, mas depois de testes genéticos, foi comprovada que sua idade biológica é de 31 anos. E vale ressaltar que o cientista nem sequer pratica esportes. O que é uma das grandes provas da eficácia de sua pesquisa. No entanto, ainda é preciso percorrer um grande caminho e claro, é preciso provar para o governo que é possível sim tratar a velhice de forma segura. Será que voltaremos a ouvir sobre David Sinclair e seus estudos revolucionários?


Próxima Matéria
Via   adme  
avatar Leticia Rocha
Leticia Rocha
Jornalista e aprendiz de Dani Noce. No insta é ticia_rochaa
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Confira nosso Pinterest