• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Estudo identifica os tecidos ideais para a produção de máscaras caseiras

POR Erik Ely    EM Ciência e Tecnologia      02/05/20 às 19h28

Com a escassez de máscaras descartáveis no Brasil, tivemos que recorrer para máscaras de pano. Desse modo, a medida entra para atender a demanda de máscara que já estavam em falta nos hospitais. Contudo, mesmo para as máscaras de pano, também há uma série de regras para que elas sejam eficientes. Por isso, separamos os tecidos ideais para a produção de máscaras caseiras.

Segundo pesquisadores, materiais mais firmes atuam como uma barreira mecânica e tecidos que carregam uma carga estática funcionam como uma barreira eletrostática contra possíveis gotículas infectadas. Portanto, uma máscara "perfeita" deve ser o resultado de tipos diferentes de tecidos.

Se o jeito é fazer a própria máscara, como ela deve ser feita?

O novo coronavírus, Sars-CoV-2, é o vírus que causa a Covid-19, uma doença que é principalmente transmitida por gotículas respiratórias. Desse modo, o vírus pode ser transmitido quando uma pessoa tosse, espirra, fala ou até mesmo, respira. Assim, para prevenir esse tipo de contágio, uma das principais medidas é o uso da máscara em público. Entretanto, como modelos cirúrgicos estão em falta, eles estão sendo destinados para profissionais da saúde. Logo, o recomendado é o uso de máscaras caseiras.

Mas, afinal, como deve ser essa máscara? Como uma forma de responder essa pergunta, pesquisadores da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, analisaram a capacidade de tecidos comuns de filtrar aerossóis de tamanho semelhante ao de gotículas respiratórias. Com isso, eles chegaram à conclusão que a combinação de algodão com seda natural ou chiffon seria o tecido mais eficaz para máscaras feitas em casa.

No estudo, pesquisadores usaram uma câmera que produz partículas que variam entre 10 nanômetros (nm) e 6 micrômetros (?m) de diâmetro. Em seguida, um ventilador soprou esse aerosol através de várias combinações de tecido. Isso aconteceu de forma que se assemelhasse à respiração de uma pessoa. Durante esse processo, a equipe mediu o número e o tamanho das partículas no ar antes e depois de passar pelos panos.

Tecidos firmes e que carregam uma carga estática são a melhor opção

Como resultado do estudo, uma camada de tecido de algodão combinado com duas camadas de chiffon de poliéster-spandex (fibra usada em vestidos de festa) filtrou a maioria das partículas de aerossol. Assim, foi filtrado entre 80 e 99% das partículas. Para se ter uma ideia, esse desempenho é próximo ao de um equipamento profissional. Caso o chiffon seja substituído por seda natural ou flanela, os resultados são os mesmos. Além disso, a combinação de algodão com manta de poliéster também produziu resultados semelhantes.

Segundo Supratik Guha, autor do estudo, tecidos firmes, com o algodão, podem atuar como uma barreira mecânica para partículas. Por outro lado, tecidos que carregam uma carga estática, como certos tipos de chiffon e de seda natural, servem como uma barreira eletrostática. Entretanto, ainda é importante ressaltar que além do tecido, há mais indicações para que a máscara seja feita de maneira correta. Para isso, ela deve cobrir completamente o nariz e a boca e se estender até o caso. Caso isso não aconteça, sua eficácia diminui pela metade.

Próxima Matéria
Via   Revista Galileu  
Erik Ely
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+