• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


A história inspiradora da afegã que se fingiu de homem para conseguir estudar

POR Júlia Marreto    EM Entretenimento      24/08/16 às 15h00

Quando o regime Talibã assumiu o controle no Afeganistão, Zahra Joy ainda era uma criança. Naquele período, num país onde até mesmo as mulheres que seguiam fielmente as leis, ser mulher era extremamente difícil. Não que não o seja hoje. Durante os primeiro anos do regime Talibã, as mulheres eram proibidas de frequentar a escola.

É importante lembrarmos que não temos o intuito de criticar, julgar, muito menos impor verdades absolutas. Nosso objetivo é único e exclusivo de informar e entreter. Por isso, o conteúdo dessa matéria se destina a aqueles que se identificarem.

Zahra não queria deixar de estudar e sua vontade por aprender era muito mais forte. Foi quando seu tio deu a ideia. Ela podia se disfarçar de menino para poder ir para a escola. No início foi um pouco difícil, mas a menina conseguiu convencer sua família de que era uma boa ideia.

Numa entrevista à BBC, ela disse: "Mudei minhas roupas e tive de aprender a ser menino. Meu tio me ensinou a jogar futebol, a ir para as montanhas, a fazer coisas que os garotos faziam. E passei a me chamar Mohammed." Foi então que ela cortou os cabelos, mudou as roupas e aprendeu a agir como um menino. A partir daí Zahra já não existia mais, agora ela era Mohammed.

01

No primeiro dia de aula, o diretor da escola obrigou todos os alunos que tinham cabelos longos a cortarem, naquela época eram pouquíssimos os meninos que os usavam assim. Para a sorte da menina, a escola ficava a 1h30 de sua casa, assim, ninguém a reconheceu. Um dos maiores medos, tanto dela quanto da família, era ser descoberta pelo Talibã e acabar tendo sua família ameaçada e/ou ser forçada a se casar.

Durante seis anos, apesar do medo e dos possíveis acontecimentos pelos quais poderia passar, Zahra (agora Mohammed) aprendeu a ler e escrever. Enfim, o regime Talibã caiu e a menina pode abandonar o "personagem", voltando a estudar como menina.

7kavz94tcc77caghxxxqh8vza

Quando se revelou menina, Zahra sofreu bullying, mas não se importava. "Estava feliz porque podia ler, escrever, tive educação no tempo certo. Estava orgulhosa porque tinha voz", ela conta.

Quando o regime Talibã caiu Zahra tinha 11 anos, e então ela pode voltar a estudar normalmente. Hoje, formada em direito, Mohammed Zahra (apelido que ficou) é quem sustenta a família, trabalhando como Jornalista e, inclusive, sustentando os estudos das irmãs mais novas.

Zahra4

Mesmo com tudo o que aconteceu, Zahra diz que o espírito de Mohammed ainda esta nela. E que a experiência dos anos que passou como menino foram muito importantes para sua vida. "Ao ser Mohammed, fiz meu futuro, aprendi a socializar com homens e com uma parte da sociedade com a qual eu não teria contato. Quando tinha uma reunião só para meninos, eu podia ir, falar com homens, apertar as mãos deles, o que não era comum no Afeganistão."

Zahra ainda conta que sente falta de "ser menino", porque "Como Zahra, não tinha as oportunidades que os meninos tinham, não tinha todos os direitos, não podia rir alto. Sinto saudade dos direitos que tinha como Mohammed."

Então pessoal, é realmente uma história inspiradora, não? Encontraram algum erro? Ficaram com alguma dúvida? Possuem sugestões? Não se esqueçam de comentar com a gente!

Próxima Matéria
Júlia Marreto
É a dona de um coração esculpido pela literatura e preenchido pelos bons vinhos de Baco. Guiada nas artes da vida por Ares, possui a discreta delicadeza de um elefante pulando carnaval numa loja de cristais! Movida diariamente pelo combustível da vida: o café, essa garota possui raízes profundas na poesia da vida. É muito séria, mas sabe brincar na hora certa. Ama os animais e detesta filme de terror. Apesar de cantar mal, canta com sentimento. E adora musicais! Sua principal tentativa desportiva é o baralho. Ela gosta mesmo é de coisas antigas, apaixonada pela vida e sonha com o universo. Instagram: , @juliamarreto
As categorias Terror, Sobrenatural, CreppyPasta e entretenimento têm como único objetivo de entreter. Não devem ser utilizadas como fontes de artigos científicos ou trabalhos escolares.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+