icone menu logo logo-fatos-curiosos.png


Incêndio florestal foi tão grande que foi visto do espaço

POR Bruno Dias    EM Curiosidades      03/07/20 às 16h49
capa do post Incêndio florestal foi tão grande que foi visto do espaço

Não há uma certa forma ou uma maneira exata de se prever um incêndio. Mas há como tentar ao menos evitá-los. Com as mudanças climáticas, a humanidade tem sido forçada a lidar com o crescente número de desastres naturais, entre eles as queimadas e incêndios. Tanto os urbanos quanto os florestais.

Regiões que enfrentam clima de secas extremas estão mais propícios às queimadas e incêndios nas florestas. No entanto, diversos problemas podem iniciar grandes incêndios em diversas cidades mundo afora.

No dia 5 de junho, um relâmpago começou um incêndio nas montanhas de Santa Catalina, ao norte de Tucson, no Arizona. A vegetação extremamente seca do lugar juntamente com as condições do vento fizeram com que o fogo se espalhasse bem rápido.

No dia 30 de junho, o sistema de informações sobre incidentes de várias agências informava que mais de 114 mil acres tinham sido atingidos pelo fogo. Os esforços para conter o incêndio ainda continuam. E está sendo feito por 21 equipes manuais, 10 helicópteros e dezenas de carros de bombeiros. Todos colocados na área do incêndio.

Incêndio

O incêndio foi, e ainda está sendo bastante violento e forçando evacuações dos moradores mesmo em tempos de pandemia. Para se ter uma ideia do quão grave é a situação, o fogo cresceu tanto que os satélites conseguiram vê-lo, facilmente, do espaço.

As imagens foram capturadas pela NASA com seu Advanced Spaceborne Emission Thermal and Reflection Radiometer (ASTER). Que está à bordo do satélite Terra que foi lançado em 1999. Ele foi construído pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão. E é um dos cinco instrumentos de observação do nosso planeta que foram lançados nesse ano.

A equipe científica da NASA que monitora as imagens fica no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, no sul da Califórnia. E a missão Terra faz parte da Diretoria de Missões Científicas da NASA, em Washington.

Ele usa suas 14 bandas espectrais da região do comprimento de onda visível para o infravermelho e sua alta resolução espacial, entre 15 e 91 metros, para criar imagens da Terra. Para que a equipe consiga mapear e monitorar a superfície em mudança do nosso planeta.

Imagens

Nas imagens, é possível ver o progresso do incêndio nas montanhas. Segundo a descrição da NASA da foto, a vegetação é mostrada em vermelho. E as áreas queimadas são mostradas em cinza.

A agência espacial disse que o ASTER é um instrumento bastante útil para mapear as mudanças na superfície da Terra. Isso por conta da sua alta resolução e capacidade de geração de imagens em comprimentos de onda infravermelhos térmicos.

Além do monitoramento dos incêndios, a NASA o usou para estudar outras coisas. Como por exemplo, o movimento das geleiras, a atividade vulcânica, a saúde das colheitas. Além do clima e bem-estar das zonas úmidas e também dos recifes de corais.


Próxima Matéria
avatar Bruno Dias
Bruno Dias
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Confira nosso Pinterest