icone menu logo logo-fatos-desconhecidos.png


Joias encontradas revelam mais sobre a destruição babilônica de Jerusalém

POR Cristyele Oliveira EM Ciência e Tecnologia 13/08/19 às 18h20

capa do post Joias encontradas revelam mais sobre a destruição babilônica de Jerusalém

A destruição do templo do Rei Salomão é um dos eventos mais significativos do Antigo Testamento. Assim como a queda de Jerusalém, citada diversas vezes na Bíblia. Agora, em seu aniversário, descobertas arqueológicas feitas no local anunciam novas informações sobre o evento trágico. Ao escavar o Monte Sião, arqueólogos descobriram cinzas dos incêndios que queimaram grande parte da cidade. Junto a essas cinzas, eles encontraram ainda flechas dos invasores e um brinco deixado para trás. A joia é a segunda peça de joalheria encontrada na cidade de Jerusalém e nos arredores.

O ataque à Jerusalém, pelas forças babilônicas, foi um evento importante, tanto que foi descrito repetidamente na Bíblia. Durante o cerco, boa parte da população de Judá foi assassinada e os sobreviventes levados para a Babilônia, como prisioneiros. As torturas, sofridas por eles, estão registradas em detalhes, que amedrontam qualquer um. A destruição do templo de Salomão continua, até hoje, sendo lembrada pelo jejum de Tisha BeAv. O dia do calendário judaico do luto, devido aos trágicos acontecimentos.

Escavações no Monte

Embora a Bíblia seja um documento histórico muito importante, ela não é muito confiável. No entanto, em 2017, escavações no Monte Sião revelaram que o livro sagrado estava certo sobre a destruição de Jerusalém. Embora tenha exagerado quanto à proporção da cidade, que foi queimada.

Estudos aprofundados revelaram uma camada de cinzas, provenientes da destruição da cidade, e acabou por trazer junto alguns artefatos. As cinzas foram encontradas fora das muralhas da cidade, contendo pontas de flechas do estilo cita, conhecidas por terem sido usadas pelos povos babilônicos e também pedaços de panelas quebradas. Mas o que mais intrigou os pesquisadores, foram outros itens mais caros, como um brinco feito de ouro, prata e lâmpadas.

É claro que um estudo, desse nível, não é feito de um dia para o outro. A escavação arqueológica é um processo que leva tempo, e até agora, apenas uma parte da antiga cidade foi escavada até esse ponto. Shimon Gibson, pesquisador da Universidade da Carolina do Norte, acredita que o local possa ser uma das "casas do grande homem", mencionada no Livro dos Reis Bíblicos. No relato, essas propriedades teriam sidos queimadas pelo exército babilônico, que cercou a cidade.

Novas evidências

As camadas de cinzas poderiam ser de uma lixeira das sobras de fogos da lareira, mas, para Gibson, isso não faz sentido e não se encaixa com as outras descobertas já feitas. "Ninguém abandona joias de ouro e ninguém tem pontas de flechas em seu lixo doméstico", disse ele, em um comunicado, marcado para o lançamento de Tisha BeAv.

"É o tipo de desordem que você esperaria encontrar em uma casa arruinada após um ataque ou batalha", acrescentou Gibson . "Objetos domésticos, lâmpadas, pedaços quebrados de cerâmica que haviam sido derrubados e quebrados. Francamente, jóias são um achado raro em locais de conflito, porque isso é exatamente o tipo de coisa que os atacantes vão saquear e depois derreter".

Vários períodos da história intrigam os pesquisadores, tanto que escavações de muitas épocas diferentes estão acontecendo, simultaneamente, em Jerusalém. Tudo isso para tentar explicar com mais clareza e certeza como se deram todos esses eventos.


Próxima Matéria
Via   IFLScience  
Imagens IFLScience
avatar Cristyele Oliveira
Cristyele Oliveira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Confira nosso Pinterest