• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Mulher salva 100 cachorros que seriam sacrificados em festival na China

POR A redação    EM Natureza      04/09/15 às 19h21

Historicamente, o consumo humano de carne de cachorro é registrado em muitas partes do mundo, incluindo no Leste e Sudeste da Ásia, África Ocidental, Europa, Oceania e nas Américas. A carne de cães foi comida como um alimento de sobrevivência em tempos de guerra e/ou outras dificuldades que assolaram diversos países.

Atualmente, a carne de cachorro é consumida em muitas partes da China, Coréia e Vietnã. Partes do continente Africano, como Camarões, Gana e Libéria também consomem esse tipo de carne.

Hoje, um número grande de culturas visualiza o consumo de carne de cão para ser uma parte de sua tradicional e do dia-a-dia cozinha, enquanto outros - como a cultura ocidental - considerar o consumo de cão para ser um tabu. Estimou-se que em todo o mundo, 25 milhões de cães são consumidos pelos seres humanos todos os anos.

Vender carne de cachorro para consumo é legal na China e cerca de 10 milhões de cães todos os anos são abatidos para o consumo. O consumo de carne de cachorro na China remonta a milhares de anos. Carne de cachorro tem sido uma fonte de alimento em algumas áreas do país desde 500 a.C.

22

Tem sido sugerido que os lobos no sul da China podem ter sido domesticados como fonte de alimento. Mencius, o filósofo, falou sobre a carne de cão como sendo uma carne comestível e dietética. Os chineses acreditam o alimento têm propriedades medicinais, e é especialmente popular nos meses de inverno no norte da China.

Nos tempos modernos, a extensão do consumo de carne de cachorro na China varia conforme a região, mas é bastante comum em regiões como Guangdong, Yunnan e Guangxi, bem como as províncias do norte de Heilongjiang, Jilin e Liaoning. É comum encontrar carne de cachorro em restaurantes no sul da China, onde os cães são especialmente criados em fazendas.

Desde 2009, Yulin tem realizado um festival onde milhares de cães são sacrificados. O festival celebra o solstício de verão, no entanto, em 2014, o governo municipal publicou uma declaração de que o festival não é uma tradição cultural, em vez disso, um evento comercial realizado por restaurantes e o público.

Vários pratos de carne de cachorro (e mais recentemente gato) são comidos, regados por vinho. O festival em 2011 durou 10 dias, durante os quais 15.000 cães foram consumidos. Os organizadores do festival dizem que somente cães criados especificamente para o consumo são utilizados, no entanto, há alegações de que alguns dos cães comprados para abate e consumo são roubados, como evidenciado por seus colares de identificação.

21

Yang Xiaoyun, 65, não concordou com essa tradição e surpreendeu a China e o mundo. A professora aposentada salvou mais de 100 cães que seriam sacrificados no festival desse ano. Ela mantém um abrigo para cães em Tianjin, a 2.400 km do local de Yulin. Para resgatar os cães que estavam em condições deploráveis, ela os comprou.

Alguns dos cães comidos no festival são queimados ou cozidos vivo e há relatos de que os cães são, por vezes, espancados até a morte pois existe uma crença de que o aumento da adrenalina circulando no corpo do cão acrescenta sabor a carne.

23

A senhora aposentada pagou 7.000 yuans (US$ 1.100) pelos cães. Uma ONG protetora dos direitos dos animais chinesa afirma que a cidade tem mais de 100 matadouros que abatem entre 30 e 100 cães por dia. No entanto, o Centro de Controle de Doenças de Yulin para afirma que a cidade tem apenas oito matadouros.

Em 2014, as vendas de carne de cachorro diminuiram em um terço em relação a 2013. Foi relatado que em 2015, um dos restaurantes mais populares em Guangzhou, que servia carne de cachorro, foi fechado após o governo local encontrar irregularidades.

CHINA-DOG-MEAT/ 25 26 27 28 29 30 31

Próxima Matéria
A redação
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+