icone menu logo logo-fatos-curiosos.png


No Dia das Crianças, jovens refugiados dizem o que acham do Brasil

POR PH Mota    EM Entretenimento      14/10/16 às 14h06
capa do post No Dia das Crianças, jovens refugiados dizem o que acham do Brasil

De acordo com dados da ONU para o ano de 2015, já são mais de 60 milhões de refugiados espalhados pelos países de todo o mundo, dos quais 28 milhões são crianças. O número é o maior da história, desde a Segunda Guerra Mundial. Desses refugiados, vários acabam no Brasil. Por aqui, segundo o Comitê Nacional para Refugiados, o número de solicitações para refugiados cresceu cerca de 3.000% de 2010 a 2015.

Grande parte do desafio em construir uma vida em um novo país está em enfrentar barreiras como nova cultura, língua desconhecida e falta de acesso a boas estruturas e novas oportunidades. No caso de crianças refugiadas, a adaptação pode ser ainda mais complicada num novo país.

Para saber como é a vida das crianças que vieram de países como Haiti, Síria, Arábia Saudita e Congo para o Brasil, a BBC foi atrás de refugiados que vivem atualmente na cidade de São Paulo. Ainda que vindos de culturas bem diferentes, todos eles carregam coisas em comum como a mudança na alimentação, o apreço pela liberdade e a diversão nas atividades como futebol.

Para os irmãos Zaeem, de 11 anos, Assad, de 12 anos, Warda, de 11 anos, e Sheza, de 15 anos, a vida seguia normalmente na Arábia Saudita, até que uma perseguição religiosa forçou a mudança. Depois que o filho mais velho da família cristã, de 18 anos, se envolveu com uma menina muçulmana de apenas 14, eles buscaram fugir do país para evitar a pena de morte. Acabaram no Brasil, único país que ofereceu um visto.

Por aqui, as crianças já reparam algumas diferenças. A menina Warda explica que por lá, só podia jogar futebol escondida dentro de casa e andar na rua em alguns horários. Agora, pode jogar na rua, na hora que quiser e tem a mesma liberdade que antes só era dada para os garotos em sua Terra natal. Como vivem no Brasil há apenas cerca de dois meses, ainda não se acostumaram com a língua. Na escola, falam em inglês e recebem ajuda dos colegas de classe. Quando ficaram sabendo que o feriado era de Dia das Crianças no país, pediram um trabalho para os pais como o maior presente.

Outra família que veio parar no Brasil foi a de Jessy, de 6 anos e Winner, de 4 anos. As crianças vieram do Congo no porão de um navio e chegaram no Brasil ainda no colo da mãe, escondidas. Aos 34 anos, a mulher teve que fugir do país por causa da perseguição política no país. No processo, acabou deixando outra filha e o marido para trás.

Hoje, a mais velha estuda numa escola pública em São Paulo e já domina a língua portuguesa. Quando perguntados sobre o dia das crianças, querem presentes básicos, como uma boneca para Jessu e um videogame para Winner. Dentre os desejos, porém, Jessy adiciona um outro pedido. Ela quer voltar para o país de origem para poder reencontrar a irmã e a avó que ficaram por lá.

Também fugindo da guerra, uma família Síria de duas filhas, Ritag Youssef, de 8 anos, e a irmã Rahab, de 11 anos, vieram morar no Brasil. Há quase três anos as crianças moram por aqui e dirigem um quarto em um condomínio com os país. Por lá, aprendem a se adaptar aos costumes brasileiros, mas não deixaram de aprender e praticar elementos da cultura árabe.

Os pais das garotas têm o desejo de voltar para a Síria quando pudera, mas para as crianças, não é bem assim. Ritag explica que viver por aqui é melhor, pois "não tem guerra".

Em fuga por problemas políticos ou religiosos, famílias tiveram que abandonar suas vidas e construir uma nova história por aqui, dando oportunidades às crianças que, com um olhar singular apresentam novas visões para a nossa realidade, mostrando que até mesmo numa rotina que nos apresenta problemas, ainda já pontos positivos para serem observados, em contraste com outras circunstâncias.


Próxima Matéria
Via   BBC  
Imagens BBC
avatar PH Mota
PH Mota
Jornalista que é um encontro Monty Python e A Praça É Nossa.
As categorias Terror, Sobrenatural, CreppyPasta e entretenimento têm como único objetivo de entreter. Não devem ser utilizadas como fontes de artigos científicos ou trabalhos escolares.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Confira nosso Pinterest