• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


O corpo do Papa que explodiu no Vaticano

POR Arthur Porto    EM Curiosidades      10/09/19 às 17h02

Em 2015, celebraram-se os 70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial. Na época, o ano, além de alavancar discussões e debates sobre o tema, reviveu também a memória daqueles que participaram, direta ou indiretamente, do acontecimento. Em suma, uma das figuras mais polêmicas, e que veio à tona, foi o religioso italiano Eugenio Pacelli.

Para quem não lembra, Pacelli é mais conhecido como o líder da Igreja Católica, o Papa Pio XII (1876-1958). Seu pontificado iniciou-se em 1939, alguns meses antes da Segunda Guerra Mundial. Durante esse período, a atitude do Papa, diante das atrocidades cometidas pelos nazistas, especialmente contra os judeus, foi muito criticada. Nesse ínterim, acredita-se que o Papa teria silenciado e se omitido, diante dos acontecimentos. Em suma, sua suposta omissão valeu-lhe a alcunha de "Papa de Hitler".

Em contrapartida, no mesmo ano em que celebraram-se os 70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, a cineasta, roteirista e produtora italiana, Liana Marabini, lançou o filme Shades of Truth. A produção independente defende outra ideia. O filme mostra que Pio XII, na verdade, salvou milhares de pessoas.

Verdade, ou não, recentemente, o Vaticano anunciou que decidiu abrir os arquivos secretos do Papa Pio XII. Independente do que há nos registros, o fato é que o Papa fez história. Até hoje, o papa é lembrado. Os motivos? Vários. Entretanto, vale dizer que todos aqueles, que lembram do líder religioso, lembram de um momento bem peculiar. O seu enterro.

A morte do Papa

Os médicos dos papas sempre ocuparam um papel fundamental na vida da corte papal. Em 1939, quando o Papa Pio XII ascendeu ao papado, o oftalmologista italiano, Riccardo Galeazzi-Lisi, tornou-se arquiatro pontifical. Em outubro de 1958, quando o pontífice estava em seu leito de morte, no Castel Gandolfo, localizado no sul de Roma, o médico fez um acordo com a imprensa. A partir disso, passou a fornecer informações exclusivas sobre o estado de saúde do Papa.

Além de fornecer informações, o médico havia prometido também informar aos jornalistas o momento exato da morte do papa. O líder religioso morreu às 3h52, do dia 9 de outubro de 1958, devido a uma isquemia circulatória e um colapso pulmonar, aos 82 anos de idade. O Castel Gandolfo, rapidamente, foi tomado por jornalistas. Na época, o responsável por anunciar a morte do Papa foi o padre Pellegrino.

O enterro

Galeazzi-Lisi também foi responsável pelo embalsamamento do pontífice. De acordo com informações divulgadas, Galeazzi-Lisi decidiu preservar o corpo do Papa, seguindo as diretrizes do antigo processo de embalsamamento. O procedimento foi descrito pelo The New York Times como "processo de osmose aromática".

Em suma, o procedimento exigia o uso de óleos e resinas. Supostamente, as substâncias seriam utilizadas para "desintoxicar" o corpo. Após a desintoxicação, o corpo do Papa foi envolvido por celofane. No lugar de preservar o corpo do líder religioso, o que Galeazzi-Lisi fez, na verdade, foi acelerar o processo de decomposição.

"Se o embalsamamento não for realizado corretamente", explica Ken Jeremiah, autor de Christian Mummification, "provavelmente haverá um acúmulo de substâncias químicas. Ao se acumularem, caso não haja espaço para se dissiparem, o corpo pode explodir".

E foi exatamente o que aconteceu. O cadáver do Papa Pio XII explodiu, durante a procissão, que havia começado no Castel Gandolfo e deveria ter terminado no Vaticano. O fenômeno foi acompanhado por todos os presentes, já que o corpo de um papa deve estar sempre visível, durante todos os funerais.

Próxima Matéria
Via   Ozy  
Imagens Ozy
Arthur Porto
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+