• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


O sinal de ''OK'' tem um significado obscuro

POR Bruno Dias    EM Curiosidades      30/09/19 às 18h29

A linguagem corporal é uma forma de comunicação não-verbal muito importante, pois fornece uma incrível quantidade de informações. Através dela, é possível transmitir qualquer mensagem, fazendo uso de expressões faciais, movimentos com as mãos, gestos corporais, sem usar nenhuma palavra.

Alguns sinais são conhecidos mundialmente e tem o mesmo significado em quase todas as partes do mundo. O sinal de "OK" é um deles. Mas, recentemente, ele foi adicionado a uma lista de símbolos de ódio.

Esse gesto, de forma redonda, é feito com a junção do indicador e do polegar. Além de ser uma gesto feito pelas pessoas, ele também é um emoji bastante usado. Contudo, ele foi classificado como "uma verdadeira expressão da supremacia branca" pela Liga Antidifamação (ADL, em inglês). Ela é uma organização dos Estados Unidos que monitora crimes de ódio.

Mas, segundo a própria liga, na maioria das vezes em que esse gesto é feito ou usado, significa realmente uma aprovação ou que a situação está boa. "Deve-se tomar um cuidado especial para não tirar conclusões precipitadas sobre a intenção de alguém que usou o gesto", informa a ADL.

Em 2000, a Liga Antidifamação começou a sua lista que eles chamam de ""dio em Exibição". Ela foi feita com o objetivo de ajudar as pessoas a reconhecerem os sinais de extremismo. Atualmente, essa lista tem mais de 200 verbetes, incluindo a suástica e a cruz em chamas, da Ku Klux Klan.

Extremismo

"Mesmo que os extremistas continuem usando símbolos que podem ter anos ou décadas (de existência), eles regularmente criam novos símbolos, memes e slogans para expressar seus sentimentos de ódio", explica Jonathan Greenblatt, chefe da ADL.

"Acreditamos que a aplicação da lei e o público precisam ser totalmente informados sobre o significado dessas imagens, que podem servir como um primeiro sinal de alerta para a presença de inimigos em uma comunidade ou escola", continua.

De acordo com a ADL, o símbolo de "OK" foi uma tática de trolagem, feita por pessoas que, constantemente, postam fotos em suas redes sociais fazendo o gesto. O começo disso foi como uma piada, em um fórum online 4Chan. Nele, o, antes inocente, gesto foi descrito como "símbolo de supremacia branca".

Mas assim como dizem que uma mentira, contada mil vezes, passa a ser verdade, essa piada foi tão bem sucedida e difundida entre extremistas, que muitos acreditaram que o significado tinha mudado.

Um homem, que foi acusado de matar 51 pessoas em mesquitas, em Christchurch, na Nova Zelândia, fez o gesto quando estava no tribunal. Ele alega ser inocente de todos os crimes.

Movimento

O historiador, especialistas em movimentos que ele denomina de extrema-direita, Paul Stocker, diz que o sinal passou a ser usado como uma forma de os supremacistas brancos se identificarem.

"É uma mensagem codificada, para pessoas que conhecem e entendem, o que essa extrema-direita está fazendo. Esse símbolo indica aos principais apoiadores que eles são um deles", afirmou Stocker.
Stocker explica também que é comum que grupos extremistas se apropriem de sinais, já que eles são de domínio público. E então, eles distorcem o seu significado.

"O processo de encontrar símbolos acelerou com a extrema-direita. Eles operam principalmente online. E usam linguagem codificada e memes que podem parecer inócuos, mas se você pesquisar, têm significado", explica.

"O uso mais amplo do gesto manual ainda atende hoje ao seu objetivo mais conhecido. Como resultado de tudo isso, não se pode presumir que alguém, que usa o símbolo, esteja fazendo-o no contexto de trolagem ou defesa da supremacia branca", concluiu.

Próxima Matéria
Via   BBC  
Imagens BBC
Bruno Dias
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+