• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


O Último Dia de Leandro

POR Diogo Quiareli    EM Último Dia      18/10/19 às 15h28

A música é um fator determinante para o bem estar das pessoas. É possível encontrar diversas histórias onde músicas mudaram completamente a vida de alguém. Todavia, há momentos tristes no meio musical que nos abalam de forma única. A morte de grandes artistas mexeram com todo o Brasil. Cristiano Araújo é um bom exemplo disso. No entanto, talvez haja uma que marcou ainda mais, a de Leandro, que fazia dupla com Leonardo. Como o cantor morreu? Como foram os seus últimos dias?

Vamos contar um pouquinho mais sobre a música sertaneja, as influências do cantor e como foi sua vida, até chegar o momento de sua morte. Trazemos mais essa matéria do nosso quadro O Último dia, pois vocês, caros leitores, adoram. Portanto, confira conosco a seguir e surpreenda-se. Antes de falar sobre sua morte, vamos falar sobre sua história, traçando uma linha do tempo.

A música sertaneja é uma das mais belas e fortes expressões culturais do Brasil. Eventos reunindo grandes nomes, como Chitãozinho e Xororó, Jorge e Mateus, Marília Mendonça e Luan Santana se tornaram comuns em cidades como Goiânia e Barretos. Um desses grandes nomes que costuma estar presente é Leonardo. Apesar de hoje, ele ter uma carreira solo, sua vida no mundo da música começou acompanhada. Ao lado de Leonardo, nos palcos, estava o seu irmão Leandro. A dupla Leandro e Leonardo era uma das mais famosas e bem sucedidas entre as sertanejas, mas morte de Leandro foi um daqueles momentos que fizeram o Brasil parar por um instante.

História de Leandro

Luís José da Costa nasceu no dia 15 de agosto de 1961, na cidade de Goianápolis, em Goiás. Ele era irmão de Emival Eterno da Costa e de mais outros seis. Não entendeu nada? Luís José da Costa assumiu o nome artístico de Leandro quando começou a cantar. Sendo assim, seu irmão mais novo, Emival, passou a se apresentar como Leonardo. Leandro nasceu em uma família muito humilde. O seu pai era um lavrador, chamado Avelino Virgulino. A mãe, Carmen Divina, era dona de casa e sempre que podia ajudava na plantação. Por conta da vida difícil e por ter o sonho de ser um cantor, Leandro não chegou a concluir seus estudos. Parou de estudar na oitava série.

Começou a cantar com Leonardo em 1983. No começo, tocavam em bares de Goianápolis e em outras cidades do interior. Aos poucos, a dupla ia ganhando reconhecimento na região. Lançaram dois álbuns que venderam de forma modesta, mas que já davam para os incentivar a sonhar com coisas maiores. O primeiro grande sucesso da dupla veio em 1989, com a música "Entre tapas e beijos". No ano seguinte, eles lançaram uma das músicas mais famosas de toda a carreira: "pense em mim". A partir daí, eles começaram a ganhar uma projeção nacional.

O sucesso era tão grande que os dois chegaram se encontrar com o então presidente da república, Fernando Collor. Se isso não bastasse, seus nomes cresceram de uma forma tão grande que chegaram ao patamar de grandes duplas como Chitãozinho e Xororó e Zezé di Camargo e Luciano. De forma conjunta, as três duplas criaram um supergrupo para realizar shows especiais. Por realmente terem uma amizade, o grupo ficou conhecido pelo nome Amigos.

Amigos

No Amigos, cada um dos cantores era representado por uma das letras que compõem a palavra amigos. Leandro era quem usava a camiseta da letra A. Leandro havia se casado uma vez e teve um filho chamado Thiago. Depois, ele se separou e voltou a se unir com outra mulher. Desse relacionamento, nasceram Lyandra e Leandrinho. Sem saber, ele também tinha um quarto filho, chamado Leandro Borges, fruto de um relacionamento curto e que só foi descoberto anos depois de sua morte. A mãe, na época preferiu não contar o caso ao cantor, com medo da repercussão que poderia dar.

Agora, com dinheiro, os dois puderam comprar casas, fazendas e darem uma vida boa para os seus pais. Apesar disso, Leandro sempre se caracterizou por ser uma pessoa humilde e por ter um aspecto sonhador. Não à toa, foi ele quem insistiu com o irmão para que a dupla, no começo da carreira, continuasse. A música "Um Sonhador", uma das últimas a serem criadas, é de certa forma um pouco do reflexo de como Leandro enxergava o mundo à sua volta.

Doença

Só que uma notícia estava prestes a abalar a dupla e toda a família. Com 36 anos de idade, em abril de 1998, Leandro foi diagnosticado com um câncer muito raro que atinge o tórax. Essa doença é conhecida como tumor de Askin. É uma doença que não tem cura e que não dá ao  seu portador um grande período de vida. A descoberta foi feita nos Estados Unidos. Por se tratar de uma doença rara, o próprio médico que a descobriu estava presente na equipe que diagnosticou o cantor.

Apesar da doença ser muito séria, a fé de Leandro era imensa. Católico, ele confiava que iria conseguir vencer a doença. Chegou a pedir que os fãs orassem por ele. Logo que chegou ao Brasil, começou a fazer sessões de quimioterapia. Na primeira vez, veio um bom resultado. O câncer regrediu cerca de 30%. Porém, com o passar dos dias, nem mesmo a quimioterapia poderia fazer algo.

Em uma entrevista a um programa de TV, anos depois da morte do irmão, Leonardo contou que o médico responsável por tratar de Leandro lhe deu a notícia de que seria impossível o cantor sertanejo ser curado. Leonardo sabia que o seu irmão iria morrer. O cantor disse que decidiu não dizer nada para Leandro e nem para a família. Ele guardou o segredo para si e só o revelou anos depois.

Dificuldades

Ainda de acordo com o próprio Leonardo, visitar Leandro, sabendo de suas reais condições, era uma das coisas mais difíceis que ele teve que fazer em sua vida. Ele conta que sempre tentava passar uma imagem de que tudo ficaria bem, de que Leandro conseguiria sair com vida. Leonardo recorria à piadas, gracinhas e todo tipo de artimanha para elevar o astral. Além disso, Leonardo costuma dizer que foi o irmão quem o convenceu a continuar fazendo shows pelo Brasil. Apesar de não ser fácil subir no palco sem Leandro, de certa forma, fazer os shows arejava um pouco a mente de Leonardo.

Em um dos seus últimos dias de vida, enquanto estava tomando café da manhã com sua mãe, Leandro fez um pedido à ela. Ele queria que uma fundação fosse feita para ajudar pessoas com câncer. O cantor havia dito que todo o processo de tratamento é muito caro e dolorido, e que ele tinha um privilégio de poder arcar com os custos. Todavia, se preocupava com as pessoas que não tinham essas condições. E assim, após a morte do filho, Carmen cumpriu sua promessa. Em Aparecida de Goiânia, ela fundou a Casa de Apoio São Luiz. Esse lugar oferece alimentação, estadia e transporte, tudo de forma gratuita, para pessoas que tratam de câncer na região metropolitana de Goiânia. O lugar consegue atender até 84 pacientes por vez.

A última conversa de Leonardo com o irmão também foi carregada de emoção. No dia das mães, a dupla estava reunida. Eles conversaram sobre o início da carreira, sobre aproveitar a vida e, por fim, veio o momento mais difícil, Leandro perguntou ao irmão, se Leonardo acreditava que ele sairia com vida, se ele iria conseguir.

Reação de Leonardo

 

Leonardo começou a chorar e deu um forte e longo abraço no irmão. De acordo com o cantor, esse foi o último grande momento que ele passou junto com Leandro. A última aparição pública do cantor ocorreu no dia 8 de junho, na sacada de seu apartamento. Passada exatamente uma semana, no dia 15, ele sofreu uma parada cardiorrespiratória e foi levado para o hospital São Luiz. Foi internado na UTI, em estado gravíssimo com um quadro de infecção generalizada.

Últimos dias de Leandro

Durante os seus últimos oito dias, Leandro permaneceu sedado, muito por conta da dor que a doença provoca. Uma das características desse tipo de câncer é que, aos poucos, ele vai comprimindo os órgãos do indivíduo. Á meia-noite e dez, do dia 23 de junho de 1998, por conta de uma falência múltipla dos órgãos, o cantor sertanejo não resistiu e deixou a música sertaneja em luto. Leandro faleceu cerca de 60 dias após descobrir a sua doença.

O boletim do hospital demorou a sair por uma questão nobre. A pedido do irmão, Leonardo continuava fazendo shows. No dia do falecimento do irmão, ele estava se apresentando e, por isso, não soube de imediato da morte de Leandro. Para evitar que o cantor soubesse que o irmão havia morrido pelo rádio ou pela televisão, se esperou que o show acabasse, para informarem Leonardo e aí sim, divulgaram a morte para o resto do país.

Funeral

O velório foi feito na Assembleia Legislativa de São Paulo. De acordo com as estimativas, aproximadamente 25 mil pessoas foram dar o seu último adeus ao cantor. Celebridades como Hebe Camargo e os participantes do grupo Amigos estiveram presentes.Depois, o corpo foi levado para a cidade de Goiânia, onde seria sepultado no cemitério Parque Jardim. No cortejo fúnebre pela capital goiana, estima-se que mais de 100 mil pessoas tenham participado.

Um momento, muito marcante após a morte de Leandro, foi um show do grupo Amigos realizado no mesmo ano. Agora, desfalcado, o grupo surgiu sem a letra A. Esse foi um dos shows mais importantes da história da música sertaneja.

Se você se interessou a respeito dos momentos finais de Leandro e também sobre a sua trajetória, recomendo que você leia a biografia chamada "Leonardo - Não aprendi dizer adeus". Por mais que o livro seja focado no outro integrante da dupla, há detalhes e momentos a respeito de Leandro que somente o irmão sabia e acabou contando na obra. Veja a matéria no formato de vídeo no nosso canal.

Vídeo

E aí, o que você achou? Comenta pra gente aí embaixo, afinal, o seu feedback é extremamente importante para o nosso crescimento.

Próxima Matéria
Diogo Quiareli
Geminiano, 25 anos, goiano.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+