• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Os 7 mil corpos encontrados em um manicômio nos EUA

POR Bruno Dias    EM Curiosidades      05/06/19 às 18h37

Os manicômios são vistos como lugares assustadores por diversas pessoas, principalmente após serem abordados em diversas produções cinematográficas. Para quem não sabe, o lugar nada mais é do que uma casa de recuperação para pessoas com algum distúrbio mental.

Normalmente, nesses abrigos, os pacientes se submetem à atividades físicas e psicológicas. Porém, existem, assim como nos filmes e séries, histórias tremendamente assustadoras que aconteceram nesses lugares e assustam pessoas até os dias de hoje. E lugares que já foram manicômios em algum tempo do passado, quase sempre, escondem alguma coisa.

Na sala da antropóloga Molly Zuckerman, algumas caixas têm ossos completos como por exemplo, crânio, uma mandíbula e uma perna. Outros fragmentos dos corpos estão em algumas sacolas plásticas. Tais fragmentos eram descritos como cascalho.

Alguns desses restos estão em uma média de sete mil corpos. Todos foram enterrados no antigo asilo de loucos do Mississipi, que hoje é o campus do Centro Médico da Universidade de Mississipi, em Jackson. Os planos dos pesquisadores incluem exumar os corpos, criar um memorial e estudá-los para entender como os doentes mentais e outras populações marginalizadas devem se tratadas hoje em dia.

"Os indivíduos apresentam esse incrível instantâneo da vida, da saúde e da biologia humana em Mississippi durante um período realmente tumultuado desde antes da Guerra Civil até a Reconstrução e em Jim Crow", disse Zuckerman, que opera seu laboratório na Universidade Estadual do Mississippi, em Starkville.

"Isso pode fornecer uma compreensão muito rica, contextualizada, detalhada e pessoal de como a saúde mudou ao longo do tempo. E como a saúde das pessoas foi influenciada por fatores estruturais como pobreza, racismo e marginalização", continuou.

Asilo

Esse Asilo Lunático do Estado do Mississipi foi depois chamado de Hospital Insane do Estado do Mississippi. Ele funcionou entre 1855 e 1935 e chegou a ter até 35 mil pacientes no total. E tais pacientes, que morreram enquanto estavam internados, foram enterrados lá. E se as famílias não reivindicassem seus corpos, os mesmos continuariam no local.

Os pesquisadores ainda têm poucas informações a respeito das pessoas enterrados no local. Segundo Zuckerman, muitos dos pacientes sofreram de sífilis e sintomas mentais associados à ela. Isso em um tempo antes da invenção dos antibióticos. Outros tiveram condições variando entre esquizofrenia e depressão pós-parto.

Desde a década de 1990, várias bolsas de restos mortais foram encontradas no campus da universidade. E em 2012, os arqueólogos fizeram uma descoberta surpreendente que foram pelo menos três mil corpos e, possivelmente, podendo chegar até sete mil.

Um grupo de sete universidades do Mississippi e do Texas fez um consórcio para analisar esses restos mortais. Segundo Ralph Didlake, diretor do Centro de Bioética e Humanidades Médicas da UMMC, o consórcio visa "administrar respeitosamente os restos mortais de uma maneira que aproveite seu valor cultural, honre seu legado, sua história e seu valor científico".

Didlake quer receber cerca de dois milhões de legisladores do Mississippi para o projeto. Depois disso, ele acha que as doações privadas irão sustentar as pesquisas.

Descoberta

Até o momento, foram 66 pessoas exumadas e colocadas no laboratório de Zuckerman. A pesquisadora disse que os corpos foram colocados para descansar com respeito em caixões individuais.

Esses restos mortais podem mostrar evidências de doenças crônicas. E dos dentes, os antropólogos podem coletar informações sobre as dietas das pessoas. Mas identificar os pacientes é difícil.
Os antropólogos recuperaram os registros dos pacientes, mas não existe nenhum mapa para relacionar os registros aos túmulos. Zuckerman disse que estudar como os doentes mentais foram tratados na época do asilo, os ajudará a entender como melhorar o tratamento das populações marginalizadas.

"A única maneira pela qual você pode realmente justificar o trabalho com restos humanos - por causa de como a questão deles é eticamente carregadas. E gerar informações úteis e benéficas para as populações modernas e futuras", disse Zuckerman.

Próxima Matéria
Via   Al  
Imagens Al Twitter
Bruno Dias
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+