• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Ossos de preguiças gigantes mostram que elas podem ter morrido em seu próprio cocô

POR Bruno Dias    EM Curiosidades      12/05/20 às 15h51

Através das descobertas arqueológicas, vestígios de antigas sociedades, culturas e fósseis de animais são descobertos. Assim, conseguimos compreender melhor como viveu determinado povo, quais eram seus hábitos e costumes. E até mesmo, o que levou ao seu fim.

Diversos estudiosos dedicam suas vidas em busca de objetos, fósseis e detalhes do passado. Desde que surgiu, o mundo passou por muitas coisas e diversas espécies deixaram de existir. E a seleção natural foi responsável pela criação de várias novas espécies. Ainda existem muitos segredos do passado que não sabemos e esse é o motivo de tanta determinação por parte de cientistas, arqueólogos e paleontólogos.

Desses animais que tiveram seu fim no passado estão as preguiças gigantes que viviam no que hoje é a península de Santa Elena, no Equador. Esses animais viram seu fim coletivo a milhares de anos atrás. Os ossos são comuns nos registros fósseis, mas a falta de sedimentos separando esses esqueletos sugerem que pelo menos 22 preguiças panamericanas morreram na mesmo época.

Preguiças gigantes

Elas foram encontradas no que hoje é um poço de alcatrão. Mas pode não ter sido assim que elas encontraram sua morte. Os paleontólogos dos EUA e do Equador juntaram as pistas disponíveis e acreditam que esse  herbívoros podem ter morrido depois que as suas próprias fezes contaminaram a água potável.

"Várias linhas de evidência sugerem que essas preguiças podem ter se reunido e morrido em um evento de mortalidade em massa em um habitat ribeirinho pantanoso", escreveu a equipe.

"Tomando como análogo as observações dos ecossistemas mega faunais modernos, sugerimos que esse evento de morte poderia ter resultado de secas e / ou doenças decorrentes da contaminação do chafurdar. Situações paralelas que foram observadas entre as populações de hipopótamos em regadores da atual savana africana", continuaram.

Os animais encontrados no Tanque Loma, na costa sudoeste do Equador, é datada de 18 a 23 mil anos atrás. É sabido que essas preguiças gigantes conseguiram prosperar por milhões de anos e morreram a aproximadamente 11 mil anos atrás. Mas ainda se sabe muito pouco sobre o comportamento e estrutura social desses animais.

Local

Uma massa de centenas de ossos, 575 dos 677 ossos que foram encontrados no lugar pertenciam a E. laurillardi. De acordo com o estimado pela equipe, eles eram de, pelo menos, 22 animais individuais de várias idades. Entre eles 15 adultos, um subadulto e seis juvenis. E dois eram bem pequenos, o que dava a entender que eram muito jovens.

Os ossos foram encontrados em uma única camada, com pouco sedimento entre eles. Mas interpretar essa flata de sedimento pelo local que elas foram encontradas ser um poço de alcatrão é errado. Já que na época dessas preguiças gigantes o lugar não era um poço de alcatrão. Segundo descobertas da equipe, o asfalto não tinha penetrado na camada óssea, o que mostrava que ele tinha sido depositado depois dos ossos.

Antes das preguiças morrerem o lugar era um "ambiente aquático anóxico de baixa energia", ou seja, um poço pantanoso. Além dos ossos, a equipe também encontrou muito material vegetal. E o interessante é que esse material vegetal não era vivo, mas sim digerido, sendo material vegetal excretado.

Morte

As preguiças morreram por causa de seu cocô. E existe um paralelo parecido para comparar, que são os hipopótamos na savana africana. As fezes dos hipopótamos podem mudar a química da água e, às vezes, até matar os peixes. E até mesmo os próprios hipopótamos.

"Com base nos dados deste estudo, um análogo moderno da assembléia do Tanque Loma E. laurillardi pode ser os hipopótamos, que se reúnem em grande número em fontes de água, onde passam a maior parte do tempo submersos para se protegerem do calor, sol e insetos", explicaram os pesquisadores.

"Em tempos de seca, quando essas fontes de água começam a secar, a vegetação circundante desaparece e elas se tornam cada vez mais poluídas com material fecal do hipopótamo. Causando impactos negativos significativos no ecossistema da bacia hidrográfica", continuaram.

"Eventualmente, a maioria dos animais sucumbe à fome e / ou doenças relacionadas à seca muito antes de o poço de água ter evaporado completamente", concluíram.

Próxima Matéria
Via   Science alert  
Bruno Dias
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+