icone menu logo logo-fatos-historicos.png


Pesquisadores descobrem, após tomografia, que múmias encontradas não são humanas

POR Diogo Quiareli    EM História      05/08/20 às 14h48
capa do post Pesquisadores descobrem, após tomografia, que múmias encontradas não são humanas

Muitas pessoas dedicam suas vidas estudando o passado e nem sempre é do lugar onde moram. A prova disso são os vários estudos sobre a Grécia Antiga, Roma, Europa na Idade Media e, é claro, o Antigo Egito. E quando falamos em Egito, logo vem nas nossas mentes as pirâmides, os faraós, os deuses, Cleópatra e as múmias. Inclusive, as múmias são as que mais chamam a atenção, pois são estudadas até hoje. Uma múmia trata-se de um cadáver, cuja pele e órgãos foram preservados, seja de forma intencional ou acidentalmente. Produtos químicos, frio extremo e umidade muito baixa são algumas situações que resultam em mumificação.

O mais antigo cadáver mumificado, de forma natural inclusive, descoberto foi uma cabeça decapitada. Estima-se que essa tenha cerca de 6 mil anos e foi achada em 1936. Como esperado, as múmias mais famosas são as egípcias, destacando-se as dos faraós, Tutancâmon, Seti I e Ramessés II. A primeira múmia egípcia encontrada por estudiosos ganhou o nome de "Ginger" e remonta a cerca de 3300 a.C. Há diversos estudos em cima desses achados extremamente valiosos. No entanto, o resultado de uma pesquisa recente deixou diversos arqueólogos chocados. Descobriram que algumas múmias, que acreditavam ser humanos, na verdade não eram.

Confira conosco a seguir mais detalhes sobre esse estudo e compartilhe desde já com seus amigos.

Cientistas descobrem que múmias encontradas não são humanas

Pesquisadores da cidade de Haifa, em Israel, foram surpreendidos recentemente. Isso aconteceu após analisarem duas múmias egípcias que, supostamente, tinham corações humanos. A surpresa foi: além de não terem coração, elas sequer eram humanas. As duas fazem parte da coleção dos museus municipais de Haifa há cerca de 50 anos. Muito pouco se sabia sobre elas. Alguns registros indicavam que elas tinham mais de 2 mil anos e guardavam corações humanos.

No entanto, a pesquisa feita antes não era nada compatível com uma atual. "Os registros não eram guardados de forma tão cautelosa quanto são hoje", disse Ron Hillel, chefe de gerenciamento de coleções dos museus municipais de Haifa. Desconfiados, os estudiosos decidiram fazer uma tomografia computadorizada dos sarcófagos das múmias. Tudo isso a fim de descobrir o que eles realmente guardavam. Dessa forma, descobriram que uma das múmias era, na verdade, um artefato do deus egípcio Osíris. Esse objeto tem cerca de 45 centímetros. Já a outra era um tipo de ave.

Hillel disse que os antigos egípcios faziam artefatos de Osíris durante os festivais do deus. "Eles eram feitos de uma mistura de argila ou areia com grãos. Daí, eram mergulhados na água, onde os grãos germinaram", disse o especialista. Após essa descoberta, Hillel e sua equipe agora querem fazer uma análise de carbono-14. Isso os ajudará a determinas a idade dos dois objetos. Ambos devem ganhar uma exposição especial no futuro.

E aí, o que você achou dessa matéria? Comente então pra gente aí embaixo e compartilhe com seus amigos. Vale lembrar que o seu feedback é extremamente importante para o nosso crescimento. Aproveite para fazer um tour pelas curiosidades do nosso site.


Próxima Matéria
avatar Diogo Quiareli
Diogo Quiareli
Geminiano, 26 anos, goiano. Amante de música pop, fã de Katy e Luan.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Confira nosso Pinterest