icone menu logo logo-fatosnerd.png


Por que os remakes da Disney continuam fazendo dinheiro apesar das críticas ruins?

POR Letícia Dias EM Fatos Nerd 19/08/19 às 15h21

capa do post Por que os remakes da Disney continuam fazendo dinheiro apesar das críticas ruins?

Há poucos dias, foi anunciado que uma sequência de Aladdin estava em discussão entre os executivos da Disney. O filme dirigido por Guy Ritchie arrecadou mais de um bilhão de dólares entre as bilheterias globais. Da mesma forma, no último fim de semana o remake de O Rei Leão se tornou a décima maior bilheteria de todos os tempos. O longa de Jon Favreau alcançou US$ 1,351 bilhão nos caixas mundias e acabou ultrapassando Pantera Negra. Curiosamente, enquanto o filme do MCU destacou-se entre os críticos, seja pelo aclamado conceito afrofuturista ou pelo impecável desenvolvimento técnico e representativo, os remakes da Casa do Rato continuam acumulando críticas negativas ou mistas. Sendo assim, surge o questionamento: por que esses remakes arrecadam tanto dinheiro?

Bom, antes de tudo, é preciso recapitular alguns detalhes. Em 2010, Tim Burton nos apresentou o live-action de Alice no País das Maravilhas. Foi nesse momento, que a Disney se deu conta de que existia um interesse do público, por histórias recontadas. A partir dessa receptividade positiva, o estúdio deu início ao processo de monetização da nostalgia que vemos hoje. Posteriormente, vários títulos do cofre da Disney passaram a receber esse tratamento. Só para exemplificar podemos citar Malévola (2014), Cinderela (2015), Mogli: O Menino Lobo (2016), Alice Através do Espelho (2016) e A Bela e a Fera (2017). É notável que a partir de 2016 o intervalo de lançamento entre os títulos diminui. Assim chegamos em 2019, onde três remakes (Dumbo, Aladdin e Rei Leão) foram lançados, até então. Além disso, ainda aguardamos Malévola: Dona do Mal, para outubro e Mulan, para o ano seguinte.

Uma similaridade entre essas recentes produções da Disney, além de serem atualizações das clássicas animações da década de 1990, é seu sucesso na bilheteria. Assim como Aladdin e O Rei Leão, seus antecessores arrecadaram números satisfatórios entre milhões e bilhões. No entanto, ao contrário das versões originais, os remakes colecionam críticas negativas. O principal argumento utilizado é que eles não conseguem capturar e retransmitir a mesma magia. Embora para muitos isso pareça um sinal de fracasso, a Disney caminha pela direção contrária.

A estratégia bilionária da Disney

Recentemente, a Disney percebeu que há maior ênfase no mercado mundial. Mais de 60% dos lucros da companhia vêm de países estrangeiros. Logo, eles têm reformulado alguns detalhes em suas produções, para se manterem ainda mais atrativos para a audiência internacional. Além disso, voltamos a comentar sobre seu poder nostálgico. Durante décadas a indústria do entretenimento e a cultura pop utilizaram o saudosismo como forma de despertar o fascínio do público. Hoje em dia o que está em alta são elementos dos anos 80 e 90. Sendo assim, o público alvo, que nessas décadas era formado por crianças, hoje é majoritariamente adulto. Contudo, para não se restringirem à uma limitação geracional, eles adicionam novos recursos para atrair a atenção de outros nichos de espectadores.

Alguns dos novos artifícios utilizados pelos estúdios da Disney são a tecnologia de ponta e a contratação de grandes estrelas. O Rei Leão, por exemplo, foi produzido com óculos de realidade virtual e contou com um elenco aclamado. O remake seria um sucesso independente do cast, mas nomes como Beyoncé e Childish Gambino acrescentaram uma credibilidade significativa ao longa.

Levando em consideração os pontos acima, podemos concluir que os filmes da Disney são à prova de críticas. Seu desempenho nas bilheterias não é afetado pela avaliações negativas porque a nostalgia em conjunto com a curiosidade pesa mais do que uma nota no Rotten Tomatoes. Mesmo lendo comentários negativos, fazemos questão de testemunhar com nossos próprios olhos.  Esse é o diferencial da Disney, nos recusamos a acreditar sem ver. Desde que as salas de cinema se mantenham cheias e as bilheterias continuem sendo quebradas, a empresa não vê necessidade em priorizar o cinema como arte.


Próxima Matéria
Via   Metrópoles     SR  
Imagens Disney
avatar Letícia Dias
Letícia Dias
Trabalhando pra falar de super-heróis, filmes e séries em tempo integral | @letdiax
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você!

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Confira nosso Pinterest