• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Sala de controle do Reator 4 de Chernobyl está aberta para o público

POR Cristyele Oliveira    EM Curiosidades      09/10/19 às 16h55

O mundo está cheio de pontos turísticos incríveis que atraem todos os anos milhares de turistas. No entanto, algumas pessoas buscam por algo mais emocionante e relativamente perigoso quando se trata de turismo. Não estamos falando de passeios perigosos como escalar uma montanha ou fazer uma mergulho em uma caverna. Estamos falando de algo potencialmente perigoso, uma tragédia que tem despertado a curiosidade das pessoas, o acidente nuclear de Chernobyl.

Isso mesmo, apesar do caos que foi o acidente no reator nuclear nº 4 da usina nuclear de Chernobyl, no norte da Ucrânia, em 1986, as pessoas ainda têm um interesse peculiar em conhecer o lugar, onde tudo aconteceu. E isso é realmente possível. Mesmo que toda a região, onde aconteceu a tragédia, seja inabitada, devido aos riscos eminentes de contaminação por radiação.

Depois que o presidente ucraniano, Vladimir Volydymyr, anunciou a região como uma atração turística oficial, as agências de turismo de Chernobyl anunciaram que a sala de controle, que é "altamente radioativa", do reator 4 da usina nuclear, está aberta para visitação de turistas. Obviamente, os turistas usarão um traje protetor, que inclui capacete e luvas para entrar no lugar, onde aconteceu o acidente.

Ponto turístico

Obviamente, todo o interesse dos turistas, em conhecerem o famoso reator 4, não é uma coincidência. Depois do lançamento da série "Chernobyl" pela HBO, aumentou-se consideravelmente a procura por esse tipo de turismo radioativo.

Para conhecer o centro da tragédia, os turistas devem ser submetidos a dois testes de radiologia, um antes e um depois da visita. O teste é para medir exatamente a exposição à radiação.

Chernobyl e a cidade vizinha, Pripyat, são o ponto central de uma zona de exclusão de aproximadamente 3.200 quilômetros.  Embora algumas áreas da região tenham sido visitadas por turistas, que entraram escondidos, muitos lugares ainda permanecem oficialmente fora dos limites e totalmente fechados para visitas.

Até então, o reator 4, que incluía a sala de controle, era terminantemente fechado. Apenas funcionários autorizados tinham acesso a sala. Segundo Ruptly, a radiação no local ainda é muito alta, sendo aproximadamente 40 mil vezes maior do que o normal.

A visita

Quanto ao que esperar nesse visita, os caçadores de souvenires terão acesso a itens comuns da sala, como interruptores de instrumentação de plástico, diagramas sobre o reator e fiação velha, que ainda permanece praticamente intacta.

Sergiy Ivanchuk, diretor da empresa de turismo responsável pela visitação ao reator 4, disse que as suas reservas, para passeios no local, tinham aumentando em 30%, em maio de 2019. Na mesma época em que foi lançada a minissérie da HBO. Para os meses seguintes, as reversas aumentaram em 40%, segundo ele.

Viktoria Brozhko trabalha como guia turística em Chernobyl, ela disse que os visitantes perguntam muito sobre a série de televisão.  "As pessoas tornam-se cada vez mais curiosas. Durante toda a visita à zona de exclusão de Chernobyl, o impacto de cada visitante chega ao redor de dois microsieverts".

O acidente de 1986 acabou se tornando o maior acidente nuclear da história da humanidade. O número total de mortes, em decorrência do acidente, não é exatamente preciso, mas as estimativas sugerem que chega as dezenas de milhares de pessoas. Isso porque muitas delas morreram anos depois, em decorrência do contato com a radiação. Mas uma coisa é fato: não restam dúvidas do impacto que teve o acidente de Chernobyl.

E você, teria coragem de visitar o reator 4? Conta para gente nos comentários e compartilhe com os seus amigos.

Próxima Matéria
Cristyele Oliveira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+