• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Tecnologia atual já consegue fazer um elevador para o espaço, segundo cientista

POR Jesus Galvão    EM Ciência e Tecnologia      20/09/19 às 15h43

Há algum tempo, a comunidade científica teoriza sobre a criação de um elevador espacial. Tal equipamento seria capaz de levar as pessoas e equipamentos da Terra, ao espaço, com muito mais facilidade. Assim como os elevadores comuns o fazem nos edifícios. Recentemente, alguns pesquisadores chegaram a um consenso de que, ao menos em teoria, com a tecnologia que já possuímos a nossa disposição, a criação desse dispositivo seria completamente possível.

Mas a ideia, na verdade, consiste na construção de uma 'linha espacial' na Lua, ao invés de um elevador a partir da Terra. Isso, segundo os astrofísicos Zephyr Penoyre, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e Emily Sandford, da Universidade de Columbia, em Nova York.

De acordo com alguns cálculos, realizados pela dupla, eles afirmaram que essa construção seria técnica e economicamente viável. Tudo isso, utilizando os materiais que temos atualmente disponíveis. O que não se aplicaria ao conceito inicial do elevador espacial.

Construir uma linha espacial, ao invés de um elevador, traria o seguinte beneficio: a linha espacial orbitaria a Terra, apenas uma vez por mês. Uma vez que ela estaria ligada à Lua e não a Terra. Dessa forma, isso geraria menor tensão, proveniente de forças centrífugas.

Linha espacial

A linha espacial não iria sequer encostar em nosso planeta, mas estaria posicionada na órbita geoestacionária. Isso, a cerca de 42.164 quilômetros acima da superfície. O projeto tornaria possível, e mais fácil, o transporte do que quer fosse, para outras localidades no espaço.

"Ao estender uma linha, ancorada na Lua, bem no fundo da gravidade da Terra, podemos construir um cabo estável e atravessável, permitindo o movimento livre da Terra para a superfície da Lua", escreveu Penoyre e Sandford em seu artigo. "[Isso] reduziria o combustível necessário para alcançar a superfície da lua em um terço do valor atual".

Atualmente, possuímos materiais super resistentes a nossa disposição, como o polímero de carbono de Zylon. Tal material funcionaria perfeitamente nesse cenário. Atingindo o ponto de Lagrange, que é quando as forças gravitacionais da Terra e da Lua ficam mais próximas e equilibradas, os cientistas acreditam que a estabilidade seria suficiente para que tudo funcione bem.

Campo base

Segundo os pesquisadores, a construção de uma espécie de 'campo de base' na Lua se faria necessário. "Esse campo base permitiria a construção e manutenção de uma nova geração de experimentos espaciais - poderíamos imaginar telescópios, aceleradores de partículas, detectores de ondas gravitacionais, viveiros, geração de energia e pontos de lançamento de missões para o resto do Sistema Solar".

O contrapeso de um campo base também ajudaria a manter o cabo longo ancorado e estável. Afinal, ele precisaria esticar mais de 300.000 quilômetros. Alguns teorizaram sobre os riscos do cabo ser atingindo por objetos espaciais. No entanto, os pesquisadores explicaram que o risco de ser atingido por objetos espaciais é baixo. Além do mais, como sugeriram os pesquisadores, o cabo pode ser fabricado para suportar pequenos impactos.

"Calculamos a tensão e as tensões na linha espacial e mostramos que, com materiais modernos, ela pode ser construída dentro dos limites fundamentais dos materiais", concluíram os pesquisadores.

O conceito de uma linha espacial lunar não é algo exatamente novo. Entretanto, neste estudo, os pesquisadores mostraram que a ideia é completamente possível, em termos de custo e praticidade. Mas, é importante ressaltarmos que isso é apenas uma prova de conceito e que o trabalho dos cientistas ainda se encontra aguardando revisão.

Então pessoal, o que acharam da matéria? Deixem nos comentários a sua opinião e não esqueçam de compartilhar com os amigos.

Próxima Matéria
Jesus Galvão
Goiano, Canceriano e Publicitário.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+