• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


A teoria de que se poderia viajar pelo hiperespaço através de um buraco negro

POR Bruno Dias    EM Curiosidades      18/01/19 às 14h00

O espaço instiga curiosidade das pessoas e dos cientistas, e uma das coisas que as pessoas mais comentam é como usar os buracos negros como um portal para outra dimensão, tempo ou universo. E essa ideia, que muitas pessoas achavam que cabia somente em filmes de ficção científica, pode estar mais perto da realidade.

Os buracos negros são formados quando a gravidade esmaga uma estrela que está morrendo, até que ela seja comprimida em um único ponto e produza um objeto com uma densidade infinita. E é exatamente essa densidade quente que pode abrir a oportunidade para viagens no hiperespaço. E isso permitiria que viagens em escala cósmica fossem feitas em um curto período de tempo.
Os buracos negros são os objetos mais misteriosos de todo universo e os pesquisadores achavam que qualquer nave que tentasse atravessá-lo passaria por vários alongamentos e compressão, até que fosse completamente valorizada.

Segundo pesquisadores, cada buraco negro é diferente do outro. O que fica no centro da nossa galáxia, Sagitário A*, por exemplo, é grande e rotativo o que fariam com que as coisas que aconteceriam com a nave que tentasse atravessá-la fossem diferentes. Talvez a nave conseguisse passar pelo buraco normalmente.

Ele conseguiria porque um buraco negro rotativo tem uma singularidade considerada como franca e faz com que os objetos que interagem com ele não sejam danificados. A priori, isso pode parecer uma coisa impossível, mas é como passar o dedo bem rápido pela chama de uma vela de dois mil graus sem se queimar.

Em 2016, a estudante de doutorado Caroline Mallary, se inspirou no filme Interestelar e quis saber se o personagem de Matthew McConaughey conseguiria sobreviver quando caiu no buraco negro fictício Gargantua, que é supermassivo e roda rapidamente 100 milhões de vezes a massa do sol.

Pesquisa

Mallary se baseou no trabalho feito pelo físico Amos Ori vinte anos antes e os uniu com suas habilidades no computador para construir um modelo para ver os efeitos que uma nave ou qualquer objeto grande sofreria se entrasse em um buraco negro rotativo com o que fica no centro da nossa Via Láctea.

O resultado da pesquisa foi que o objeto que caísse em um buraco negro com essas características não sofreria efeitos muito grandes. E, às vezes, o objeto conseguiria passar confortavelmente pela singularidade do buraco. E é justamente isso que aumenta a possibilidade dos buracos negros serem usados como portais para viagens no hiperespaço.

Outra coisa descoberta por Mallary foi que os efeitos da singularidade em um buraco negro giratório fariam a nave se alongar e comprimir rapidamente, mas em buracos negros maiores, como era o caso do mostrado no filme, esse efeito não seria sentido nem pela nave e nem por alguém que passasse por ele.

Por mais que o trabalho de Mallary revele que essa possibilidade não existe, ainda há possibilidade de se provar isso. Os cientistas usam simulações para compreender e assim fazer previsões do que se pode esperar e de novas descobertas.

Próxima Matéria
Bruno Dias
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+