• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Transplante de cabeça pode se tornar realidade em 2017

POR A redação    EM Mistérios & Horror      14/09/15 às 19h52

Um transplante de cabeça ou transplante de corpo, dependendo de como você olha para eles, pode parecer uma coisa de filmes de terror. O primeiro procedimento documentado foi realizado por volta dos anos 50, quando o cirurgião Vladimir Demikhov enxertou a cabeça e patas dianteiras de um filhote de cachorro no corpo de um cão diferente. Sem surpresa, nenhum de seus animais durou mais do que alguns dias.

Tudo foi eticamente questionável, entretanto, esses procedimentos culminaram com o primeiro transplante bem sucedido de cabeça em 1970. Um macaco teve sua cabeça transplantada por Dr. Robert White, que se inspirou no trabalho de Demikhov. Embora White tenha demonstrado a viabilidade do procedimento, ele não se preocupou em tentar fundir as medulas espinhais do macaco doador com o receptor, por isso o animal ficou paralisado e não conseguia respirar sem assistência.

A medicina tem progredido aos trancos e barrancos desde então. Tanto é que um neurocirurgião acredita que o procedimento poderá em breve ser realizado em seres humanos. De acordo com o médico Sergio Canavero, os principais obstáculos para o sucesso, tais como o risco de o corpo rejeitar a cabeça, podem ser superados com as técnicas da medicina moderna. Com alguns avanços, o procedimento pode estar pronto em 2017.

17

Entretanto, só porque ele pode ser feito, isso não significa que ele vai ser aprovado, principalmente devido as questões éticas que precisam ser consideradas antes do procedimento ser aprovado. Por um lado, este tipo de cirurgia dramática poderia oferecer esperança para pessoas cujos órgãos são atormentados com câncer ou aqueles que sofreram acidentes graves. É por isso que Canavero está tentando recrutar uma equipe para continuar a explorar a possibilidade de tal técnica.

Então, o que a cirurgia envolve? Em primeiro lugar, a cabeça do recipiente teria que ser arrefecida para manter as células vivas. Em seguida, o pescoço é cortado e os vasos sanguíneos são ligados por uma série de pequenos tubos. Após isso, as medulas espinhais são cortadas e a cabeça é, em seguida, deslocada para o corpo do dador, que está pronto para a parte mais complicada e mais importante: juntar as extremidades das medulas espinhais.

Para fazer isso, Canavero sugere a utilização de uma substância chamada polietilenoglicol, o que ajudaria as membranas das células de gordura se fundirem. A parte final do processo de costura envolve os vasos sanguíneos e os músculos antes de colocar o paciente em coma por até um mês. Depois de intensa fisioterapia, o paciente deve ser capaz de usar seu corpo e caminhar. Embora haja um risco de rejeição, como qualquer transplante, Canavero salienta que as drogas imunossupressoras devem impedir que isto aconteça.

Juntamente com as considerações éticas de tal cirurgia, alguns cirurgiões têm expressado preocupações. Eles temem que esse procedimento poderia levar chamar a atenção de pessoas que querem trocar seus corpos por razões cosméticas, então, obviamente, se ela se tornar legalizada, normas rígidas terão que ser impostas. A ideia de um transplante de cabeça foi recebida com forte oposição no campo da medicina, e muitos acreditam que ele simplesmente não vai funcionar. Os próximos dois anos serão cruciais para saber os rumos desse procedimento.

Fonte: IFL Science

Próxima Matéria
A redação
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+