• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


Você pode ser condenado por bruxaria em um país das Américas, entenda

POR Diogo Quiareli    EM Curiosidades      06/03/19 às 18h07

Você já deve ter ouvido falar da história envolvendo as mulheres acusadas de bruxaria em Salém, né? O episódio foi gerado pela crueldade que levou, na América do Norte, os julgamentos por bruxaria. O estado de Massachusetts vivenciou uma noite de horror tremendo em outubro de 1692. Tudo começou quando uma escrava negra, chamada Tituba, contou histórias sobre vudu, uma religião da África Ocidental, à amigas e praticantes de ocultismo. Algumas até tiveram a ajuda da mesma para realizarem pactos com Davina. Por passarem mal após os atos, um médico foi chamado para examinar as moças e afirmou que elas estavam "embruxadas".

Os julgamentos de Tituba e de outras mulheres da época foram realizados diante do juiz Samuel Sewall. O pregador colonial, que acreditava cegamente em bruxaria, Cotton Mather, foi o encarregado das acusações. Após a morte de sua serva, ele diz que Davina foi passando de mulher em mulher a cada morte. Esse medo das bruxas durou pouco mais de um ano, onde vinte pessoas, em sua maioria mulheres, foram declaradas culpadas de realizar bruxaria, foram caçadas e mortas. Durante o período, pelo menos 200 pessoas teriam sido capturadas e sentenciadas, mas o juiz Sewall reconheceu que havia sido um erro e então suspendeu todas as sentenças.

Há suspeitas de que alguns dos capturados foram intoxicados pelo consumo do esporão-de-centeio (principal ingrediente do pão). Esse seria um fungo, que extrai alcalóides na produção de produtos medicinais, como o LSD por exemplo. Se for ingerido, o parasita é capaz de causar uma doença conhecida como Ergotismo. Entre as acusadas, estão as primas Elizabeth Parris e Abigail Williams, crianças de apenas 9 e 11 anos. Essas, devido a pouca idade, estão entre as mais famosas.

Todas essas crenças aparentemente ficaram presas há séculos, né? Na verdade, não! Segundo matérias em diversos tabloides, existe um país onde ainda é possível ser condenado por bruxaria. Nós, da Fatos Desconhecidos, buscamos um pouco a respeito e trouxemos essa matéria para você, caro leitor. Confira conosco a seguir e surpreenda-se.

País onde ainda é possível ser condenado por bruxaria

Parece estranho, mas em um país localizado nas Américas ainda está em vigor uma lei de mais de 100 anos sobre feitiçaria. Esse lugar é o Canadá. Apesar da revogação já estar prevista, a regra contra praticantes de bruxaria continua sendo usada como um dispositivo constitucional para julgar as pessoas que possivelmente praticam serviços envolvendo "artes das trevas". Recentemente, duas mulheres foram acusadas de aplicarem golpes em seus clientes utilizando bruxaria. Uma delas, Dorie Madeena Stevendon, reconhecida por seus "poderes" de vidente em Ontário, foi acusada. A acusação aconteceu após vários meses de investigação. Ela teria recebido quase 50 mil dólares de honorários profissionais.

O outro caso foi de Samantha Stevenson, que também se apresentava como vidente. De acordo com policiais, a mulher teria convencido um homem de que "a única maneira de se desencilhar dos espíritos malignos que viviam em sua casa, era vendê-la e transferir o dinheiro obtido à sua conta bancária". Na maioria dos casos, as pessoas que são julgadas praticaram atos fraudulentos contra seus clientes. No futuro, já não serão mais julgadas por "bruxaria". Isso acontecerá porque o governo canadense propôs retirar do código penal essas seções desatualizadas. Elas serão substituídas por outras, mais condizentes com o contexto atual.

E aí, o que você achou dessa matéria? Comenta pra gente aí embaixo e compartilhe com seus amigos. Lembrando sempre que o seu feedback é extremamente importante para o nosso crescimento.

Próxima Matéria
Diogo Quiareli
Geminiano, 25 anos, goiano.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+